PREVIOUS FREE PAGES BLOG

PREVIOUS FREE PAGES BLOG
DIPLOMATIC FREE PAGES - click image

Monday, November 14, 2016

Raphaël Meyssan -- A Liberdade de Informação em contraste com a Liberdade de Expressão


«A FÁBRICA Do CONSENTIMENTO»

A Liberdade de Informação em contraste com a Libertade de Expressão

Ideologicamente, a imprensa é entendida como um oposto do poder e é acusada de não realizar o seu trabalho crítico e de fabricar o consentimento requerido pelos poderes. A crítica tradicional calcula que aí está metida a mão de alguns grandes grupos económicos. Mas podemos pensar que o ponto focal de bloqueio é muito mais profundo: consiste na própria noção de “informação”. Esse termo, utilizado com frequência, carrega em si próprio um ponto de vista filosófico e uma maneira de ser no mundo. A ideologia da informação converteu-se num instrumento de consentimento e de submissão das populações.

 | PARIS (FRANCIA)  


JPEG - 35.4 KB

Contrariamente ao que parece, a liberdade de informação é uma noção oposta à liberdade de expressão. A primeira consiste em difundir algo conhecido e seguro. A segunda em apresentar publicamente uma visão pessoal. A liberdade de informação pressupõe uma verdade objectiva. A liberdade de expressão implica que essa verdade esteja ligada à relação que mantemos com algo e não a esse algo em si.

O sistema da objectividade / subjectividade

O que chamamos “informação” apresenta-se como um termo técnico: trata-se de um dado sobre algo. Esse dado tem um carácter científico, para nós: deve ser exacto. Uma informação pode ser falsa ou verdadeira. Quando se apresentam duas informações contraditórias, uma deve dar lugar à outra: “Não é possível dizer tudo e o contrário”. Contudo, as informações que temos sobre algo podem estar incompletas, mas uma informação em si mesma, nunca pode estar incompleta. É um dado conhecido e seguro que se pode completar com outros dados.


Para descrever algo, um acontecimento, um facto, devemos fornecer informações objectivas sobre o assunto. É certo que não é fácil escapar à nossa subjectividade, mas apesar de tudo devemos procurar, com a maior força e honestidade possíveis, ser objectivos: analisando os diferentes pontos de vista subjectivos e desviando-nos, dentro do possível, das nossas opiniões. Finalmente, a objectividade é um ideal, inacessível, mas para o qual devemos inclinarmo-nos sempre, com a maior persistência.

Desse modo, a objectividade é a noção fundamental que acompanha a informação. Se podemos proporcionar informações objectivas sobre uma ocorrência, é porque esse evento é objectivo. Um acontecimento objectivo não necessita de nós para existir, existe fora de toda e qualquer relação que possamos ter com ele. Esse acontecimento foi-nos concedido para observá-lo.

A lógica aparente de tudo isto não deve eliminar o debate filosófico sobre a objectividade. Esse debate interliga-se, frequentemente, com a questão da subjectividade. Estamos de acordo em que não é possível conhecer um facto de maneira objectiva e que devemos admitir e dar a conhecer a subjectividade com que o conhecemos. Mas então, a subjectividade aparece como a crítica que a objectividade aceita fazer a si própria. Situa-se no mesmo sistema de pensamento. A objectividade afirma que as coisas estão em si próprias.

A crítica subjectiva é conveniente. Basta apresentar um método de observação: tudo depende do ponto de vista com que se vê; sendo assim, devemos dizer de onde estamos a falar e também, aproximar-nos mais da verdade objectiva, comparar pontos de vista diferentes. O ideal de uma verdade objectiva perpetua-se. Na sua forma mais forte, a crítica subjectiva faz que pareça impossível conhecer essa verdade. Na forma mais débil, limita-se a dar uma opinião, sem coloca-la em dúvida: “Isto é o que penso do que todos conhecem”. O debate filosófico sobre a informação não se limita a afirmar subjectividades.

A relação e a questão do nosso lugar no mundo.

Esta discussão, aparentemente sensata, sobre a objectividade e a subjectividade, cria um impasse sobre um elemento fundamental: a relação. É certo que talvez “qualquer coisa” não necessita de mim para existir, mas se falo do tema estabeleço uma relação com ela. Portanto num determinado momento, no mínimo, está no meu campo de percepção.

E precisamente porque tem uma relação comigo, que falo do tema, caso contrário, nem sequer o conheceria. Por outro lado, considero que é útil falar do assunto, porque penso que isso que tenho no meu campo de percepção influi na minha vida, directa ou indirectamente, física ou intelectualmente, etc. A relação que mantenho com esse “algo” de que falo, agora é fundamental. O que direi sobre o tema irá falar de nós, da relação que existe entre esse assunto e eu.

O debate sobre a objectividade das coisas e o ponto de vista objectivo ou subjectivo não tem valor nenhum se nos colocamos no campo da relação. Pelo contrário, a questão da relação traz uma claridade nova sobre o uso da noção de informação e objectividade. Quando penso em termos de relação, interrogo-me sobre a influência que esse “algo” tem sobre mim e a ingerência que, por sua vez, eu posso ter sobre esse assunto.

Quando me coloco no sistema da informação e da objectividade, aprendo sobre algo e esse conhecimento, em princípio, não tem influência nenhuma sobre mim, do mesmo modo que não se coloca em questão a minha capacidade de acção. Por conseguinte, o pensamento da relação indica a interacção entre o mundo e eu: investiga sobre a influência, a determinação do mundo com respeito a mim e interroga-se sobre a minha capacidade de acção.

Pensar em termos de relação permite que apareça a problemática do nosso lugar no mundo. Percebe-se, então, que a palavra “informação” não é um termo técnico, mas sim uma noção filosófica que leva em si própria uma concepção do mundo. O pensamento objectivo indica um objecto de estudo. A objectividade supõe a objectivação do mundo. Nós já não vivemos em relação com o mundo, vivemos entre as coisas. A nossa actividade não é pensada em termos de relações, mas sim de gestão das coisas que conhecemos. 

Desse modo, o insensível deslocamento que se produz da liberdade de expressão à liberdade de informação, é paralelo à redução da capacidade de acção do cidadão e da aparição da figura de gestor. Vemos o mundo como um conjunto de objectos; a nossa vida no mundo consiste agora, em administrar os objectos. E se percebemos tudo como tal, aceitamos também, ser transformados em objectos. Surge então o triste desmembramento do mundo, como o produto da ideologia da objectividade. Jornalistas, sociólogos e outros especialistas objectivos trabalham nesse sentido.

A não possessão do mundo.

Para a lógica da informação, a adquisição de conhecimentos é um fim em si mesmo. É o objecto de atenção de todas as universidades e o propósito de qualquer pessoa culta.

Desse modo, a formação de um jornalista corresponde à aprendizagem de algumas técnicas do ofício e a absorção de uma “cultura geral”. A figura do sábio, que não existe na sociedade da informação, é substituída pela do homem culto cujo conhecimento enciclopédico provoca admiração, mas enquanto “a soma do conhecimento” aumenta vertiginosamente, o ser humano perde o vínculo com o mundo. Desde “O Estrangeiro “ de Camus aos personagens de Kafka, a literatura é percorrida por um ser alheio à sua vida.

Perdido num mundo incoerente e absurdo, observa-o, disseca-o e destrói-o e não encontra nada que o una a ele. O homem enciclopédico não conhece a experiência; tudo lhe interessa, mas não se envolve em nada.

Assim o conceito de informação conduz à nossa privação da posse consentida do mundo. A partir de aí já não nos parece intolerável que outros vejam a realidade por nós e nos digam como é: são simples técnicos que recebem e transmitem informação. Um periodista objectivo é um intermediário técnico. As suas opiniões não devem transparecer para não criar interferências entre nós e a informação. Os meios de comunicação não são percebidos como mediadores entre nós e a realidade, mas sim como suportes de informações neutrais. E no entanto, como vimos, a “informação” não é um termo técnico, assim como “meio de comunicação”, tampouco é um suporte técnico.

Os meios de comunicação não conheceram a revolução vivida pelo cristianismo com a Reforma. Antes do protesto de Martin Lutero, os sacerdotes eram reconhecidos como intermediários naturais entre os crentes e a realidade divina. Depois da Reforma, todos podem ler e compreender a Bíblia sem necessidade de uma autoridade eclesiástica.

A imprensa tem levado os povos das democracias a uma situação anterior à Reforma. Já não é possível conhecer a realidade sem a ajuda de um terceiro. Na mente de todos, o repórter não é o que nos vincula com a realidade, mas alguém sem o qual é impossível conhecê-la.

Esta situação justifica-se pela contradição entre a nossa falta de tempo ou de meios e a sede de conhecimento que temos. Gostaríamos de conhecer tudo o que acontece de um extremo ao outro do mundo, mas não dispomos de meios para ir a esses lugares, e também nos interessam outros temas. Mas o que significa esse interesse?

O interesse manifesta-se nas coisas com as quais não somos capazes de nos relacionar: não podemos ir ao lugar e não temos tempo para nos dedicar mos a esse assunto…, mas pretendemos que influa na nossa vida. Inclusivamente que possamos ter uma influência no mesmo.

Como é que pode ser possível? Como poderíamos agir sobre algo que não podemos ver com os nossos olhos e com o qual não nos podemos relacionar? Delegando, claro. Uma vez mais confiamos nos outros para que ajam por nós. Já não são periodistas cuja função se limita a relatar, mas sim políticos humanitários ou militares. Assim, agimos por delegação sobre coisas que conhecemos através de intermediários.

Poderíamos requalificar a nossa flexibilidade da seguinte forma: consentimos que actuem em nosso nome, de acordo com o que outros afirmaram. A informação não produz a acção, mas o consentimento.

Os intelectuais dos Estados Unidos, Noam Chomsky e Edward S. Herman, analisaram principalmente a fabricação do consentimento por parte da imprensa como resultado do sistema económico (Manufacturing Coonsent, Pantheon Books, 1988. Éd. Francesa: La Fabrique de L’opinion publique, Le Serpent à plumes, 2003). Ademais a formação do consentimento não é um derivado do periodismo de informação, mas a sua própria função.

Não importa que os jornais estejam sob o poder das firmas multinacionais e dos anunciantes publicitários. Foram concebidos para informar e não podem fazer outra coisa senão construir o consentimento. Constituíram um procedimento de submissão intelectual a terceiros. O homem enciclopédico é alheio à acção.

É oreceptor passivo de informações abstractas. Como espectador educado, às vezes não consente e critica. Crítica sem relevância cujo efeito é dar confiança ao espectador. O estado de espectáculo em que nos encontramos pode então ser analisado, como um estado de espírito provocado pela ideologia da informação.

Devemos tomar consciência dos indicadores fundamentais da noção banal de “informação”. A ideologia da informação significa um estado de ânimo, uma forma de estar no mundo: conhecimento abstracto, afastado de qualquer relação pessoal ou colectiva; conversão do mundo num simples objecto de estudo; gestão das coisas; gestão dos seres reduzidos ao estado de coisas; passividade na aquisição de conhecimentos; submissão com respeito a terceiros e também, delegação da capacidade de agir sobre o mundo; estado de espectáculo; consentimento; crítica do espectador; passividade…

A segurança da ideologia da informação é o método utilizado para manter os cidadãos num estado de espectadores que consentem ou criticam. Não se pode levar a cabo nenhuma luta democrática, aceitando essa ideologia que lhe é fundamentalmente oposta.

Para a democracia, a informação e por conseguinte “a liberdade de informação”, deve ser combatida como ideologia do servilismo. No seu lugar, devemos defender a liberdade de expressão, que tem a ver com a relação, a acção, o compromisso.

Falar do mundo não é um acto descritivo, é uma acção com resultados: não nos contentamos em dizer algo tal como é, fazemo-lo existir de uma forma particular. A informação, através de uma descrição pseudo-científica, reduz o mundo a uma objectividade aparente. A expressão faz que o mundo exista para nós, de muitas formas.
A liberdade de expressão leva-nos a uma realidade muito mais rica, mais densa e mais complexa que a instituída pela ideologia da informação. Sobretudo, dá-nos novamente um lugar no mundo e faz com que a nossa capacidade de acção seja efectiva.
Artículo bajo licencia Creative Commons
La Red Voltaire autoriza la reproducción de sus artículos a condición de que se cite la fuente y de que no sean modificados ni utilizados con fines comerciales (licencia CC BY-NC-ND).

No comments:

Post a Comment

PUTIN FRENCH



2017 FSB Meeting - RO from Roberto Petitpas on Vimeo.

BOTH VIDEOS AVAILABLE IN ENGLISH,FRENCH, ROMANIAN, PORTUGUESE

PRESIDENT





Labels

A BRAMERTON A. Orlov Abayomi Azikiwe ABIZAID ABOGADOS ABOGADOS PROGRESISTAS DE ESPAÑA Acción secreta activism Ajamu Baraka AL-ASSAD AL-HUSAINI Aleksandar PAVIC alex gorka Alex Lantier Alexander Azadgan ALEXANDER DUGIN ALEXANDER KUZNETSOV Alexandra Bruce Alexandre Artamonov ALEXIS Ambrose Evans-Pritchard an Greenhalgh Ana de Sousa Dias ANA SOUSA DIAS ANASTASOV Anatol Lieven Andre Vltchek ANDREI AKULOV Andrew Griffin Andrew Korybko Andrew P. Napolitano Andrey Afanasyev animals Ann Diener Ann Wright Anne Speckhard Ph. D. Anne Speckhard PH. D aRABIC ARAM MIRZAEI Ariel Noyola Rodríguez Asaf Durakovic Asma Assad ASMOLOV ASSANGE Avelino Rodrigues AVNERY BAKER bankers BAOFU Bashar al-Assad Baxter Dmitry BECKER Before it's News BEGLEY BERGER BILL SARDI Binoy Kampmark BOGDANOV Brazilian BRENNAN BRIAN CLOUGHLEY BULGARIAN BUTLER CABRAS Carey Wedler CAROL ADL CARTALUCCI CATHY O'BRIEN cats Chelsea Manning Choice and Truth Chossudovsky Chris Cole CHRIS HEDGES Christopher Black CIA Claire Bernish clinton Collective Evolution Comunidad Saker Latinoamérica COOK Covert Action Craig McKee CUNNINGHAM Daniel Lazare Daniel McCARTHY Daniele Ganser DANSK Darius Shahtahmasebi DARK JOURNALIST DARK JOURNALISTt DAVID HOROVITZ David Lemire David STERN David Swanson DEAN Deena Stryker Deutsch DINNUCI DIPLOMACY Dmisa Malaroat DMITRIY SEDOV Dmitry Minin Domenico Losurdo Donald Trump doni DONINEWS Dr. Kevin Barrett DUFF DUGIN EDITOR'S CHOICE EDWARD SNOWDEN Eliason Eliseo Bertolasi EMMONS endgahl ENGDAHL Eric S. Margolis Eric Zuesse ESCOBAR EUROPE Evan at Fight for the Future F. William Engdahl FANG Farage farewell address FEDERICO PIERACCINI FERRIS Finian Cunningham FORBIDDEN KNOWLEDGE TV forbidden nowledge Foster Gamble four horsemen Fr. Andrew Phillips FRANCESCA CHAMBERS Francesco Colafemmina Freeman FRENCH FRISK FULFORD Fuller G20 SUMMIT GALLAGHER Gareth Porter GARY NORTH General Flynn George Gallanis GERMAN GERMANOS Gilad Atzmon Gilbert Doctorow Glenn Greenwald GLOBAL RESEARCH GORDON GORDON DUFF Graham E. Fuller GREENHALGH GREENWALD Greg Hunter Gregory Copley GRETE MAUTNER GUEST CONTRIBUTORS GUNNAR GUTERRES HAGOPIAN Hakan Karakurt Herbert McMaster HERMAN hill HILLARY CLINTON http://www.independent.co.uk/ http://www.northcrane.com/ http://www.salem-news.com/ http://yournewswire.com/ HUDON HUDSON ideeCondividi INAUGURATION Inform Clear House Internet IODINE ITULAIN Ivan Blot JALIFE-RAHME JAMES James Comey JAMES CORBETT JAMES GEORGE JATRAS James ONeil JAMES PETRAS Jane Grey Jay Greenberg Jean Perier Jean Périer Jean-Claude Paye JEFFREY SMITH JEZEBEL JILL STEIN Jim W. Dean Joachim Hagopian john McCain JOHN PILGER John Podesta John W. Whitehead JONAS E. ALEXIS Jonathan Marshall JONES Joseph Thomas JULIAN ASSANGE KADI Kadir A. Mohmand Kadyrov kalee brown Karen Kwiatkowski Karine Bechet-Golovko KATEHON KATHEON Katherine Frisk Ken O’Keefe Kenneth P. VOGEL KERRY BOLTON Kerry Cassidy Kerry Picket Kevin Barret. VT Kim Petersen KIMBERLEY KINZER KIRYANOV KOENIG Konstantin Asmolov KORYBKO KORZUN Krum Velkov Larry Chin Laurent Gerra lavr LAVROV Le Saker Francophone LENDMAN Lionel Shriver LOFGREN LVOV MACMILLAN Makia Freeman Manlio Dinucci Manlio Dinucci - Manuel Ochsenreiter Marco Cassiano MARCUS WEISGERBER MARGARET KIMBERLEY MARIA ZAKHAROVA Mark Citadel Mark Taliano Markus Frohnmaier Martin Berger MARUSEK Matt Peppe MATTEO rRENZI MATTHEW COLE MATTHEW JAMISON MCLAUGHLIN MÉLENCHON MELKULANGARA BHADRAKUMAR MERCOURIS MEYSSAN MICHAEL AVERKO Michael Brenner Michael Hudson MICHAEL JABARA CARLEY Michael S. Rozeff Michael T. Klare Middle East MIG video Mike Whitney MINA Mint Press News MintPressNews MIRANDA Misión Verdad MKULTRA Mohamed Mokhtar Qandiel MOHMAND Montenegro MOON OF ALABAMA moonofalabama MOST DAMAGING WIKILEAKS NATO NEO NEWS DESK Nicholas Nicholaides Nick Turse NIKANDROV Nile Bowie NISSANI NOVOROSSIA novorussia obama obamas Olivier Renault ONU ORLOV OSCAR FORTIN PALESTINE PARRY Patrick J. Buchanan Patrick Martin PAUL CRAIG ROBERTS Paul Fitzgerald Paul R. PILLAR Paul Street PAYE PCR Pedro Bustamante PEPE ESCOBAR Peter Dale Scot Peter Dale Scott Peter Koenig PETER KORZUN PETRAS Ph.D Phil Butler PICCARD Pierre Farge PILGER PISKORSKI PODESTA Pope Francis PORTUGUESE PRAVDA prc PRESTON JAMES Prof Michel Chossudovsky Prof Rodrigue Tremblay Project Veritas PUTIN PYOTR ISKENDEROV Queen Elizabeth Rajan Menon Raphaël Meyssan rebecca gordon Redmayne-Titley RELAX réseau Réseau International Réseau Voltaire Réseau Voltaire: Revue Défense Nationale Ricardo Vaz RICHARD DOLAN Richard Galustian Richard Labévière Richard Spencer Rick Sterling Rob Urie Robert Bridge Robert J. Burrowes Robert J. O’Dowd Robert O’Dowd ROBERT PARRY robert steele ROBERTS rof. Mohssen Massarrat ROLAND Roland San Juan blog ROMANIA PROTESTS ROMANIAN Ron Aledo RON PAUL RT Rudolph Giuliani RUDY GIULIANI RUSSIA TODAY RUSSIAN Russian Insider Russie politics Russka RUSSOPHILE Ryan Dawson Ryan Gallagher Salman Rafi Sheikh sana sanders SANTOS SILVA SCAHILL SCOTT Scott Humor Sean Adl-Tabatabai SERGEY LAVROV Seth Ferris SHAKDAM Shawn Hamilton SHEIKH SIMON PARKES Smith & Wesson SNOWDEN SNYDER Sophie & Co Soros SOUTH FRONT SOUTHFRONT SPANISH speech GERMAN MP Speer-Williams Sputinik sPUTNICK SPUTNIK STACHNIO State of the Nation Stephen Kinzer Stephen Lendman Steve Pieczenik STEVE PIECZENIK: STONE STORM CLOUDS GATHERING StormCloudsGathering.com Strategic Culture STRATTON STRYKER Sunagawa Syria TAKEHON TALIANO TASS TEREHOV The Anti-Media THE INTERCEPT THE SAKER the true activist THERAPEOFJUSTICE Thierry Meyssan Third Presidential Debate Tillerson tom dispatch TOM ELEY Tom Engelhardt Tom Feeley TOM JOAD TomDispatch TOMGRAM Tony Cartalucci True Activist TrueActivist.com trump TSUKANOVA TTIP TURKEY TYLER DURDEN Udo Ulfkotte Ukrainian Deserter USA ELECTION USA ELECTIONS Valentin Vasilescu Van AUKEN Vanessa Beeley VASILESCU Vault 7 Veteran Intelligence Professionals for Sanity VETERANS TODAY VETERNAS TODAY video videos VIETNAM VETERANS Viktor Mikhin VITALY CHURKIN Vladimir Chizhov Vladimir Safronkov VLTCHEK VT Waking Times WANTA Washingtons blog WAYNE MADSEN WESTBERG Westmoreland WHITEHEAD Whitney Webb WIKILEAKS Wikispooks William Blum WOODS world cup 2018 Xi Jinping YEMEN Youssef A. Khaddour ZAKHAROVA ZÉ GERALDO ZEROHEDGE ZUESSE