PREVIOUS FREE PAGES BLOG

PREVIOUS FREE PAGES BLOG
DIPLOMATIC FREE PAGES - click image

Friday, January 13, 2017

Glenn Greenwald -- Estado paralelo dos EUA usa alegações não verificadas em guerra contra Trump

Estado paralelo dos EUA usa alegações não verificadas em guerra contra Trump

EM JANEIRO DE 1961Dwight Eisenhower fez seu discurso de despedidaapós dois mandatos como presidente dos EUA; o general de cinco estrelas decidiu alertar o público americano para esta ameaça específica à democracia: “Nos conselhos de governo, temos de nos defender contra a aquisição de influência injustificada, solicitada ou não, do complexo militar-industrial. O potencial para a ascensão desastrosa de poder indevido existe e persistirá”. Esse discurso antecedeu a escalada de uma década da Guerra do Vietnã, mais duas décadas da paranoia da Guerra Fria, e a era do pós-11/09, momentos históricos que aumentaram de forma radical o poder dessa facção não eleita.
É essa facção que agora está em guerra franca contra o legítimo presidente eleito e extremamente rejeitado Donald Trump. Seus membros recorrem a táticas sujas clássicas da Guerra Fria e aos ingredientes essenciais do fenômeno recentemente denominado como “notícias falsas”.
Seu instrumento mais valioso é a mídia americana, que em larga medida venera, serve, acredita e se alinha com agentes de inteligência ocultos. E os Democratas, ainda em estado de choque com a traumática e inesperada derrota eleitoral e o colapso sistêmico do partido, aparentando estar cada vez mais alheios ao bom senso, estão dispostos a – ávidos por – aceitar qualquer acusação, aplaudir qualquer tática e apoiar qualquer vilão, sem observar a natureza barata e sem fundamento desses comportamentos.

Os perigos graves que a presidência de Trump representa são muitos e bem explícitos. Existe uma ampla gama de táticas legítimas e eficazes para combater essas ameaças: desde coalizões bipartidárias no Congresso e desafios jurídicos Constitucionais à insurreição dos cidadãos e contínua desobediência civil agressiva. Todas essas estratégias já viram sua eficácia periodicamente comprovada em tempos de crise política ou excessos de autoritarismo.
Porém, aplaudir a CIA e seus aliados dissimulados com o intuito de subverter unilateralmente as eleições americanas e impor suas próprias imposições políticas ao presidente é pervertido e autodestrutivo. Empoderar precisamente as entidades que produziram as atrocidades mais vergonhosas e a falsidade sistêmica que imperou nas últimas seis décadas é desespero da pior espécie. Exigir que afirmações anônimas não comprovadas – emitidas pelos próprios setores cuja função é fazer propaganda e mentir – sejam de imediato veneradas como a Verdade equivale a um ataque ao jornalismo, à democracia e à racionalidade mais básica do ser humano. E marcar de forma casual adversários nacionais que se recusem a serem chamados de traidores e agentes  estrangeiros revela falência moral.
Além de tudo isso, com esses ataques fajutos e obviamente fraudulentos, os oponentes de Trump estão trabalhando em seu favor, recrutando meios de comunicação para liderar o caminho. Quando chegar a hora de expor a verdadeira corrupção e a criminalidade de Trump, quem vai acreditar nas pessoas e instituições que se mostraram dispostas a validar todo o tipo de afirmações, independentemente de serem despojadas de fundamentos fatuais?
Todos estes ingredientes tóxicos estiveram ontem patentes no ataque mais baixo e agressivo jamais orquestrado pelo Estado Paralelo contra Trump: conferir credibilidade e revelar publicamente um documento que não foi investigado nem verificado, compilado por um agente anônimo vendido aos Democratas, acusando Trump de uma série de crimes, atos corruptos e conduta privada obscena. A reação a esses acontecimentos demonstra que, apesar de Trump representar perigos graves, não menos graves são essas tentativas cada vez mais loucas, negligentes e destrutivas de minar sua presidência.

POR MESES, com uma clareza sem precedentes, a CIA apoiou incondicionalmente a candidatura de Hillary Clinton e tentou derrotar Donald Trump. Em agosto, o ex-diretor interino da CIA, Michael Morell, anunciou o seu apoio a Clinton no New York Times, afirmando que o “presidente Putin recrutou Trump como agente involuntário da Federação Russa”. O diretor da CIA e da NSA sob o mandato de George W. Bush, Gen. Michael Hayden, dirigiu-se ao Washington Post, na semana anterior às eleições e após também apoiar Clinton, para avisar que “Donald Trump soa parecido com Vladimir Putin”, acrescentando que Trump é “o idiota útil, um tanto naif, manipulado por Moscou, secretamente desprezado, mas cujo apoio cego é aceito e explorado”.
Não é difícil entender por que a CIA preferiu Clinton a Trump. Enquanto Trump denunciou a guerra por procuração da CIA na Síria, Clinton criticou Obama por restringi-la e queria mesmo estendê-la. Clinton claramente desejava adotar uma linha mais dura que Obama contra os inimigos antigos da CIA em Moscou, enquanto Trump queria uma melhora nas relações entre os dois países. Em geral, Clinton defendeu e tendia a prolongar a ordem militar internacional vigente há décadas, da qual depende a posição de destaque da CIA e do Pentágono, enquanto Trump – por instabilidade e convicção – constitui uma ameaça a essa ordem.
Seja qual for a opinião de cada um sobre esses debates, é o processo democrático – as eleições presidenciais, o processo de confirmação, os líderes do Congresso, os procedimentos jurídicos, o ativismo dos cidadãos, a desobediência civil – que deve determinar a forma como eles são resolvidos. Todas essas disputas políticas foram debatidas às claras; o público escutou todas elas; e Trump ganhou. Ninguém deve ambicionar ser governado pelos senhores do Estado Paralelo.
“Chuck Schumer sobre os tweets de Trump atacando a comunidade de inteligência: ‘Ele está sendo tolo ao fazer isso'”.
Contudo, é precisamente esse domínio do Estado Paralelo que desejam os agentes Democratas e as personalidades da mídia. Se havia dúvidas, elas foram dissipadas ontem à noite.

EM OUTUBRO PASSADO, um agente político e ex-funcionário da agência de inteligência britânica MI6 estava sendo pago por Democratas para procurar escândalos sobre Trump (anteriormente, o agente era pago por Republicanos opostos a Trump). O agente tentou convencer inúmeros meios de comunicação a publicar um memorando extenso, repleto de acusações escandalosas sobre traição ao país, corrupção corporativa e aventuras sexuais de Trump, com o tema principal de que Trump servia a Moscou pois estava sendo chantageado e subornado.
Embora muitos tivessem o memorando, nenhum veículo o publicou. Isso se deu porque essas alegações eram anônimas e não vinham acompanhadas de nenhuma evidência. Mesmo nesse novo clima de permissividade em que a mídia se encontra, ninguém estava disposto a ser associado ao material jornalisticamente. O editor executivo do New York Times Dean Baquet declarou ontem à noite que não publicaria essas alegações “completamente infundadas” porque “nós, assim como outros, investigamos as alegações e não as corroboramos, e acreditamos não ser nosso papel publicar informações que não podemos confirmar”.
O mais perto que esse agente chegou de publicar o material foi quando convenceu David Corn, do site Mother Jones, a publicar um artigo em 31 de outubro contando que “um ex-agente de inteligência de um país ocidental” alegava que “havia fornecido memorandos ao [FBI], baseados em suas interações recentes com fontes russas, argumentando que o governo russo vem tentando cooperar e ajudar Trump há anos”.
Mas como essa alegação era anônima, não acompanhada de provas ou mais detalhes (que Corn não revelou), o impacto foi muito pequeno. Mas ontem, tudo mudou. Por quê?
A única coisa que mudou foi que a comunidade de inteligência decidiu levar a público todas essas informações de forma a torná-las plausíveis. Em dezembro, John McCain forneceu uma cópia deste relatório ao FBI e exigiu que fosse levado a sério.
Na semana passada, os chefes das agências de inteligência decidiram declarar que este ex-agente da inteligência britânica e suas alegações eram suficientemente “confiáveis” para justificar que Trump e Obama fossem informados sobre elas, e, dessa forma, carimbando as acusações com uma vaga, indireta e questionável aprovação. Alguém — ao que tudo indica, inúmeros oficiais — foi à CNN contar que isso tinha acontecido, o que fez com que a CNN fosse ao ar e, com um ar de gravidade e urgência, anunciasse que os mais importantes oficiais de inteligência do país haviam informado a Obama e Trump que a Rússia havia coletado informações que “comprometiam o presidente eleito Donald Trump”.
“Chefes da comunidade de inteligência apresentaram a Trump alegações sobre as tentativas dos russos de comprometê-lo.”
A CNN se recusou a especificar a natureza das alegações com o argumento de que não teria sido possível “verificá-las”. Mas, com o documento nas mãos de diversos meios de comunicação, era apenas uma questão de tempo — muito pouco tempo — até que alguém tomasse a frente e publicasse todo o material. O site Buzzfeed o fez rapidamente, publicando todas as alegações anônimas e não confirmadas sobre Trump.
O editor chefe Ben Smith publicou um memorando explicando a decisão, dizendo que, embora haja “fortes motivos para duvidar das alegações”, Buzzfeed “defende a publicação” e que os “americanos podem se definir quanto às alegações por conta própria”. A publicação do documento gerou enorme tráfego (e lucro) para o site, com milhões de visualizações do artigo e leitura do “dossiê”.
“Esses relatórios alegam que Trump tem profundos laços com a Rússia.”

É possível discordar da decisão do site Buzzfeed e, de acordo com o New York Times hoje pela manhã, muitos jornalistas discordam. É quase impossível imaginar uma situação em que seja justificável que um veículo de comunicação publique um documento completamente anônimo e não confirmado, repleto de alegações caluniosas sobre as quais o próprio editor chefe do veículo diz haver “fortes motivos para duvidar”, baseado no fato de que querem deixar que o público decida se acredita nelas ou não.
Mas, mesmo se alguém acredita que isso seja completamente injustificável, as circunstâncias de ontem provaram ser o cenário adequado para fazê-lo. Após a CNN mencionar essas alegações indiscretamente, deixaram que sua própria audiência imaginasse os escândalos que a Rússia tinha em mãos para chantagear e controlar Trump. Ao publicar as acusações, Buzzfeed encerrou a especulação. Mais importante ainda é o fato de ter permitido que todos constatassem o quão duvidoso era o documento que havia sido elevado pela CIA e pela CNN ao status de ameaça à segurança nacional.

LOGO DEPOIS de ser publicado, foi revelada a natureza falsa do “dossiê”. Seu autor não era apenas anônimo, mas tinha sido pago por Democratas (e, antes disso, pelos adversários de Trump dentro do Partido Republicano) para levantar escândalos a respeito de Trump. Para piorar, o próprio autor não cita qualquer prova. Em vez disso, contava com uma cadeia de outras pessoas anônimas que afirma terem passado essas informações para ele. Ainda pior, o documento está repleto de erros amadorísticos.
Heidi N Moore: “Olha, isso fede muito. Sem origem, sem detalhes, erros ortográficos e geográficos. Ninguém acreditaria nisso”.

Pwn All The Things: “Após ler o documento, ainda tenho muitas dúvidas. Há muitas alegações bizarras, poucas tentativas de analisar a credibilidade das fontes de forma sistemática”.

Embora muitas das alegações não tenham sido verificadas, algumas delas podem ser confirmadas. Uma das alegações – que o advogado de Trump, Michael Cohen, havia viajado secretamente para Praga em agosto para se encontrar com oficiais russos – foi categoricamente negada por Cohen, que insistiu nunca ter ido a Praga em sua vida (Praga é o mesmo lugar que os oficiais de inteligência disseram, em 2001, ser o local de um encontro que nunca aconteceu entre oficiais iraquianos e os sequestradores de aviões do 11 de Setembro, o que contribuiu para que 70% dos americanos acreditassem, até a segunda metade de 2003, que Saddam havia planejado pessoalmente o ataque de 11 de Setembro. Hoje pela manhã, o Wall Street Journal contou que “o FBI não havia encontrado nenhuma prova de que Cohen tivesse viajado para a República Tcheca”.
Nada disso impediu que agentes democratas e figuras de destaque na mídia tratassem as alegações não confirmadas ou verificadas como se fossem revelações gravíssimas. De Zach Beauchamp da Vox:
Texto marcado em amarelo:
“…conspiração bem desenvolvida sobre a cooperação entre [assessores de Trump] e os líderes russos.”
“Paul MANAFORT, que estava usando o assessor de política externa, Carter PAGE, e outros como intermediários.
“Fonte E reconheceu que o governo russo estava por trás do vazamento recente de mensagens de e-mail comprometedoras, oriundas do Comitê Nacional do Partido Democrata (DNC), para a plataforma WikiLeaks.
Zack Beauchamp: “Meu deus”
“Olha, não encare nada nesse dossiê como verdade absoluta. Mas é certamente uma prova em favor de alegações extraordinárias.”
Borzou Daragai, do site Buzzfeed publicou uma série de tweets discutindo as sérias consequências dessas revelações, lembrando raramente de mencionar um aspecto jornalístico fundamental em suas reflexões: “se for verdade”.
Borzou Daragahi: Uau. Imagino que a coletiva de amanhã seja suspensa.
Texto marcado em amarelo:
“Porém, há outros aspectos sobre a relação de TRUMP com as autoridade russas. Uma das que foram frutíferas foi a exploração das obsessões pessoais e perversão sexual de TRUMP para obter “kompromat” (material comprometedor) sobre ele. De acordo com a Fonte D, quando ele/a estava presente, a conduta (pervertida) de TURMP em Moscou incluiu o aluguel da suíte presidencial do Ritz Carlton Hotel, onde ele sabia que o presidente Obama e a primeira dama (que ele odeia) haviam se hospedado em uma das visitas oficiais a Rússia, e desonrar a cama onde eles dormiram, empregando diversas prostitutas para realizar um show “golden shower” (cachoeira dourada – urinação) na frente dele. Era sabido que o hotel estava sob o controle do FSB (serviço de inteligência russo) com microfones e câmeras escondidas em todos os quartos para gravar tudo que queriam.”
“Em 2013, o comportamento pouco ortodoxo de TRUMP na Rússia forneceu às autoridades russas material comprometedor suficiente sobre o agora candidato republicano à Presidência para chantageá-lo se assim desejassem.”
“Detalhes extraordinários das alegações sobre a extensão da colaboração da campanha de Trump com Putin.”
“Narrativa surpreendente e crível nos documentos vazados descrevendo disputa no Kremlin sobre a interferência nas eleições dos EUA.”
Texto em amarelo: “IVANOV estava irritado com os acontecimentos recentes”. “IVANOV alegou sempre ter se oposto ao uso e exploração de inteligência por parte de sua ‘equipe’ de relações públicas”.
“De acordo com o arquivo bruto de inteligência, as informações operacionais do Kremlin sobre Trump, Jill Stein, LaRouche e Gen. Flynn são todos potencialmente úteis na guerra contra Clinton.”
Texto em amarelo:
“IVANOV disse que o alvo de tais operações eram jovens educados nos EUA já que o PA (assistente pessoal) julgou ainda haver a possibilidade de que eles pudessem ser persuadidos a votar no candidato republicano Donald TRUMP em protesto contra o establishment de Washington (na forma da candidata do partido democrata Hillary Clinton). A esperança era que, mesmo se ela vencesse, como resultado disso, CLINTON seria forçada a trabalhar pela reconciliação interna nos EUA.”
“IVANOV disse que (…) PUTIN estava satisfeito com o progresso da operação anti-CLINTON até o momento.”
“Uma bomba se for verdade: advogado de Trump Michael Cohen e representantes do Kremlinse reuniram clandestinamente em Praga em agosto.”
Texto em amarelo: “encontro clandestino entre o advogado do candidato presidencial republicano Donald Trump, Michael COHEN e representantes do Kremlin em agosto de 2016 (…) em Praga”.
“Konstantin KOSACHEV (chefe do Comitê de Relações Internacionais) como figura importante na operação de articulação entre a campanha de TRUMP e Kremlin.”

Enquanto isso, a comentarista progressista, Rebecca Solnit, disse que isso era uma “prova concreta” a respeito da “traição” de Trump, enquanto Markos Moulitsas, do Daily Kos, ecoava o mesmo tema.
“Com a CNN confirmando que os chefes da inteligência consideram confiável esse relatório, é hora de começar a usar a palavra ‘traição'”.
Enquanto alguns Democratas pediam cautela, o democrata John Marshall louvavelmente alertou: “Eu diria que, ao ler ‘inteligência’ bruta, extremamente bruta, as pessoas precisam manter o ceticismo, mesmo que tenham razão em achar que Trump é péssimo”. A reação em sua grande maioria foi a mesma que nos outros casos em que a CIA e seus aliados publicaram alegações não confirmadas sobre Trump e a Rússia: consideraram instantaneamente as afirmações como verdadeiras, além de fazerem declarações de que comprovam a traição de Trump (e qualquer um que expresse ceticismo sendo chamado de agente ou fantoche do Kremlin).

HÁ UM GRANDE RISCO que essa manobra saia pela culatra e beneficie Trump em detrimento daqueles que se opõem a ele. Se uma das graves alegações do “dossiê ” for comprovadamente falsa – como a viagem de Cohen para Praga –, muitas pessoas concluirão, com o encorajamento de Trump, que esses grandes canais (CNN e BuzzFeed) e as facções anti-Trump do governo (CIA) estão distribuindo “notícias falsas” para destruir o presidente eleito. Na opinião de muitas pessoas, isso vai desmoralizar – e tornar impotente – as revelações jornalísticas futuras baseadas em irregularidades reais e comprovadas.
Além disso, a ameaça por trás de nos submetermos à CIA, empoderando-a de forma suprema à margem do processo democrático seria, como alertou Eisenhower – um perigo ainda mais grave. O risco de sermos governados por entidades não eleitas e que não prestam contas à sociedade é autoevidente e grave. Isso é especialmente verdadeiro quando a entidade a que tantos estão louvando tem um histórico de mentiras, propaganda, crimes de guerra, tortura e das maiores atrocidades imagináveis.
Todas as alegações sobre a interferência da Rússia nas eleições americanas e as ligações com Trump devem ser investigadas na íntegra por um órgão credível, e as provas devem ser reveladas publicamente o mais rápido possível. Conforme meu colega Sam Biddle argumentou na semana passada, após a revelação do relatório absurdo da comunidade de inteligência sobre a manipulação russa — que até os inimigos de Putin ridicularizaram como uma piada de mau gosto —, a total ausência de provas subjacente a essas alegações significa que “precisamos de uma investigação independente resoluta”. Até lá, as afirmações sem provas disseminadas anonimamente devem ser tratadas com o mais absoluto ceticismo – e não valorizadas com uma credibilidade conveniente.
O mais importante é que as táticas legítimas e eficazes de oposição a Trump estão sendo totalmente eclipsadas por essas cruzadas ad hoc irracionais e desesperadas, sem qualquer estratégia convincente, que retratam os oponentes do presidente como destituídos de razão e seriedade. Nesse exato momento, os oponentes de Trump estão se comportando conforme o crítico de mídia Adam Johnson descreveu: como águas-vivas ideológicas, flutuando perdidas sem rumo, desesperadamente tentando se colar a qualquer barco que passa.
Existem soluções para Trump. Elas passam por estratégias ponderadas e um enfoque paciente nas questões que realmente interessam às pessoas. Quaisquer que sejam essas soluções, não passam certamente por venerar a comunidade de inteligência, implorar sua intervenção e equacionar suas afirmações sujas e obscuras com a Verdade. Essas ações não trazem nada de bom, pelo contrário, já estão causando muitos danos.

No comments:

Post a Comment

PUTIN FRENCH



2017 FSB Meeting - RO from Roberto Petitpas on Vimeo.

BOTH VIDEOS AVAILABLE IN ENGLISH,FRENCH, ROMANIAN, PORTUGUESE

PRESIDENT





Labels

21st Century Wire A BRAMERTON A. Orlov Abayomi Azikiwe ABIZAID ABOGADOS ABOGADOS PROGRESISTAS DE ESPAÑA Acción secreta activism Ajamu Baraka AL-ASSAD AL-HUSAINI Aleksandar PAVIC alex gorka Alex Lantier Alexander Azadgan ALEXANDER DUGIN ALEXANDER KUZNETSOV Alexandra Bruce Alexandre Artamonov Alexandre Cazes ALEXIS Ambrose Evans-Pritchard an Greenhalgh Ana de Sousa Dias ANA SOUSA DIAS ANASTASOV Anatol Lieven Andre Vltchek ANDREI AKULOV Andrew Griffin Andrew Korybko Andrew P. Napolitano Andrey Afanasyev animals Ann Diener Ann Wright Anna Hunt Anna Von Reitz Anne Speckhard Ph. D. Anne Speckhard PH. D Anti-Media News Desk Antony C. Black aRABIC ARAM MIRZAEI Ariel Noyola Rodríguez Asaf Durakovic Asma Assad ASMOLOV ASSANGE Avelino Rodrigues AVNERY BAKER bankers BAOFU Barrett Brown Bashar al-Assad Baxter Dmitry BECKER Before it's News BEGLEY BERGER BILL SARDI Binoy Kampmark BOGDANOV Brazilian BRENNAN BRIAN CLOUGHLEY BULGARIAN BUTLER By Jack Heart & Orage CABRAS Captagon Carey Wedler CAROL ADL CARTALUCCI Catherine Austin Fitts CATHY O'BRIEN cats Chelsea Manning Choice and Truth Chossudovsky Chris Cole CHRIS HEDGES Christopher Black CIA Claire Bernish clinton Collective Evolution Comunidad Saker Latinoamérica COOK Covert Action Craig McKee CUNNINGHAM CURENT CONCERNS CURRENT CONCERNS Daniel Lazare Daniel McCARTHY Daniele Ganser DANSK Darius Shahtahmasebi DARK JOURNALIST DARK JOURNALISTt DAVID HOROVITZ David Lemire David STERN David Swanson DEAN Deena Stryker Denali Deutsch DINNUCI DIPLOMACY Dmisa Malaroat DMITRIY SEDOV Dmitry Minin Domenico Losurdo Donald Trump doni DONINEWS Dr. Kevin Barrett DUFF DUGIN EDITOR'S CHOICE EDWARD SNOWDEN Eliason ELISABETE LUIS FIALHO Eliseo Bertolasi EMMONS endgahl ENGDAHL Eric S. Margolis Eric Zuesse ESCOBAR EUROPE Evan at Fight for the Future F. William Engdahl FANG Farage farewell address FEDERICO PIERACCINI FERRIS Field McConnell finance Finian Cunningham FORBIDDEN KNOWLEDGE TV forbidden nowledge Foster Gamble four horsemen Fr. Andrew Phillips FRANCESCA CHAMBERS Francesco Colafemmina Freeman FRENCH FRISK FULFORD Fuller G20 G20 SUMMIT GALLAGHER Gareth Porter GARY NORTH General Flynn George Gallanis GERMAN GERMANOS Gilad Atzmon Gilbert Doctorow Glenn Greenwald GLOBAL RESEARCH global warming GORDON GORDON DUFF Graham E. Fuller Graham Vanbergen GREENHALGH GREENWALD Greg Hunter Gregory Copley GRETE MAUTNER GUEST CONTRIBUTORS GUNNAR GUTERRES HAGOPIAN Hakan Karakurt Herbert McMaster HERMAN HERNÂNI CARVALHO hill HILLARY CLINTON hollywood http://www.independent.co.uk/ http://www.northcrane.com/ http://www.salem-news.com/ http://yournewswire.com/ HUDON HUDSON ideeCondividi INAUGURATION INCÊNDIOS Inform Clear House Internet IODINE Isaac Davis ITULAIN Ivan Blot JALIFE-RAHME JAMES James Comey JAMES CORBETT JAMES GEORGE JATRAS James ONeil JAMES PETRAS Jane Grey Jay Greenberg Jean Perier Jean Périer Jean-Claude Paye JEFFREY SMITH JEZEBEL JILL STEIN Jim W. Dean Joachim Hagopian john McCain JOHN PILGER John Podesta John W. Whitehead JONAS E. ALEXIS Jonathan Marshall JONES Joseph Thomas JULIAN ASSANGE KADI Kadir A. Mohmand Kadyrov kalee brown Karen Kwiatkowski Karine Bechet-Golovko KATEHON KATHEON Katherine Frisk Ken O’Keefe Kenneth P. VOGEL KERRY BOLTON Kerry Cassidy Kerry Picket Kevin Barret. VT Kim Petersen KIMBERLEY KINZER KIRYANOV KOENIG Konstantin Asmolov KORYBKO KORZUN Krum Velkov Larry Chin Laurent Gerra lavr LAVROV LE PARISIEN Le Saker Francophone LENDMAN Lionel Shriver LOFGREN LVOV MACMILLAN macron Makia Freeman Manlio Dinucci Manlio Dinucci - Manuel Ochsenreiter Marco Cassiano MARCUS WEISGERBER MARGARET KIMBERLEY MARIA ZAKHAROVA Mark Citadel Mark Taliano Markus Frohnmaier Martin Berger Martin Hurkes MARUSEK Matt Peppe MATTEO rRENZI MATTHEW COLE MATTHEW JAMISON MCLAUGHLIN MÉLENCHON MELKULANGARA BHADRAKUMAR MERCOURIS MEYSSAN MICHAEL AVERKO Michael Brenner Michael Hudson MICHAEL JABARA CARLEY Michael S. Rozeff Michael T. Klare Middle East MIG video mike harris Mike Whitney MINA Mint Press News MintPressNews MIRANDA Misión Verdad MKULTRA Mohamed Mokhtar Qandiel MOHMAND Montenegro MOON OF ALABAMA moonofalabama MOST DAMAGING WIKILEAKS NATO NEO NEWS DESK Nicholas Nicholaides Nick Turse NIKANDROV Nile Bowie NISSANI NORMAN SOLOMON NOVOROSSIA novorussia NYTIMES obama obamas Oliver Stone Olivier Renault ONU ORLOV OSCAR FORTIN PALESTINE PARRY Patrick Iber Patrick J. Buchanan Patrick Martin PAUL CRAIG ROBERTS Paul Fitzgerald Paul R. PILLAR Paul Street PAYE PCR Pedro Bustamante pedrógão grande PEPE ESCOBAR Peter Dale Scot Peter Dale Scott Peter Koenig PETER KORZUN PETRAS Ph.D Phil Butler PICCARD Pierre Farge PILGER PISKORSKI PODESTA Pope Francis PORTUGUESE PRAVDA prc PRESTON JAMES Prof Michel Chossudovsky Prof Rodrigue Tremblay Project Veritas PUTIN PUTIN/TRUMP Putin/Trump meeting PYOTR ISKENDEROV Queen Elizabeth Rajan Menon Raphaël Meyssan rebecca gordon Redmayne-Titley RELAX réseau Réseau International Réseau Voltaire Réseau Voltaire: Revue Défense Nationale Ricardo Vaz RICHARD DOLAN Richard Galustian Richard Labévière Richard Spencer Rick Sterling Rob Urie Robert Bridge Robert F. Kennedy Jr Robert J. Burrowes Robert J. O’Dowd Robert O’Dowd ROBERT PARRY robert steele ROBERTS rof. Mohssen Massarrat ROLAND Roland San Juan blog ROMANIA PROTESTS ROMANIAN Ron Aledo RON PAUL Ron Paul Institute RT Rudolph Giuliani RUDY GIULIANI RUSSIA TODAY RUSSIAN Russian Insider Russie politics Russka RUSSOPHILE Ryan Dawson Ryan Gallagher Salman Rafi Sheikh sana sanders SANTOS SILVA SCAHILL SCOTT Scott Humor Sean Adl-Tabatabai SERGEY LAVROV sessions Seth Ferris SHAKDAM Shawn Hamilton SHEIKH sic notícias SIMON PARKES Smith & Wesson SNOWDEN SNYDER Sophie & Co Soros SOUTH FRONT SOUTHFRONT SPANISH speech GERMAN MP Speer-Williams Sputinik sPUTNICK SPUTNIK STACHNIO State of the Nation STEPHEN KARGANOVIC Stephen Kinzer Stephen Lendman Steve Pieczenik STEVE PIECZENIK: Steven MacMillan STONE STORM CLOUDS GATHERING StormCloudsGathering.com Strategic Culture STRATTON STRYKER Sunagawa Syria TAKEHON TALIANO TASS TEREHOV The Anti-Media The Duran THE INTERCEPT THE SAKER the true activist THERAPEOFJUSTICE Thierry Meyssan Third Presidential Debate Tillerson tom dispatch TOM ELEY Tom Engelhardt Tom Feeley TOM JOAD TomDispatch TOMGRAM Tony Cartalucci True Activist TrueActivist.com trump TSUKANOVA TTIP TURKEY TYLER DURDEN Udo Ulfkotte Ukrainian Deserter USA ELECTION USA ELECTIONS Valentin Vasilescu Van AUKEN Vanessa Beeley VASILESCU Vault 7 Veteran Intelligence Professionals for Sanity VETERANS TODAY VETERNAS TODAY Victory Day video videos VIETNAM VETERANS Viktor Mikhin VITALY CHURKIN Vladimir Chizhov Vladimir Safronkov Vladimir Terehov VLTCHEK VT Waking Times WANTA Washingtons blog WAYNE MADSEN WESTBERG Westmoreland WHITEHEAD Whitney Webb WIKILEAKS Wikispooks William Blum WOODS world cup 2018 Xi Jinping Yameen Khan Yanis Varoufakis YEMEN Youssef A. Khaddour ZAKHAROVA ZÉ GERALDO ZEROHEDGE ZUESSE