PREVIOUS FREE PAGES BLOG

PREVIOUS FREE PAGES BLOG
DIPLOMATIC FREE PAGES - click image

TRIBUTE TO A PRESIDENT

Monday, October 31, 2016

Português -- Intervenção de Vladimir Putin na Sessão de Encerramento do Clube Internacional de Valdai - PARTE 1


 At a meeting of the Valdai International Discussion Club.


Vladimir Putin participou na sessão  do 13º encontro annual do do Clube Internacional de Debates de Valdai, cujo tema deste ano foi: O Futuro em Progresso: Modelando o Mundo de Amanhã. 

27 de Outubro de 2016   
20:00 h
Sochi
No decurso de um acontecimento que durou três dias, 130 especialistas e analistas políticos de 35 países examinaram questões actuais relativas ao desenvolvimento das relações internacionais, à organização política interna, à economia, à demografia e tecnologia.
Os participantes procuraram, sobretudo, estudar formas de atenuar as consequências das mudanças radicais no mapa da política global, a crise dos sistemas democráticos e a sua actividade, discutiram vias de desenvolvimento das relações entre a União Europeia e a Rússia e como, daqui a 10 anos, o sistema global poderá assemelhar-se.
A sessão final também foi acompanhada pela anterior Presidente da Finlândia, Tarja Halonen, e pelos Presidentes da Áustria e da África do Sul precedentes, Heinz Fischer e Thabo Mbeki.
* * *
Chamo-me Timothy Colton. Conheço algumas pessoas presentes nesta sala e estou encantado por ter sido convidado para moderar esta sessão final do nosso "Grande Valdai", de 2016, como o designamos.
Gostaria de começar com uma saudação especial ao orador com que iremos iniciar esta sessão, o principal orador desta tarde, que, naturalmente, é o Presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, que se dignou a comparecer e a participar. Sabemos como está ocupado. Como sempre, também apreciamos a sua boa vontade em responder a perguntas. Sr. Putin, a dada altura, quando já estiver aposentado e escrever as suas memórias, poderá querer calcular quantas horas passou a responder às perguntas das pessoas. Somente em relação a este grupo, já atingiu um número de horas muito elevado e sei que também o faz noutros fóruns. Agradecemos profundamente esse facto. Assim sendo, estamos gratos pela sua presença.
Permitam-me também, neste momento, apresentar os restantes participantes do painel desta tarde. Vou mencioná-los segundo a ordem em que irão falar, a começar por Tarja Halonen, sentada à direita do Presidente. Teve uma carreira longa  e variada. Durante uma dúzia de anos, de 2000 a 2012, foi a presidente do país vizinho da Rússia, a República da Finlândia.
Será precedida por Heinz Fischer, que está sentado à esquerda do Presidente Putin. Também teve uma carreira longa e diversificada e só recentemente, terminou o seu mandato como Presidente da República da Áustria, que ocupou de 2000 até Julho de 2016. Infelizmente, hoje a Áustria não tem um presidente, mas isso é outra história.
Em terceiro lugar, gostaria de apresentar Thabo Mbeki, outra carreira longa e muito diversificada. De 1999 até 2008, exerceu o cargo de Presidente da África do Sul.
Gostaria, neste momento – penso não ser preciso apresentar Andrei Bystritsky, que tem estado muito activo na nossa reunião. Mas vai proferir apenas algumas palavras sobre a reunião do Clube Valdai de Debates. Ele é o Presidente do Conselho, da Fundação que supervisiona toda esta organização.
Então, Andrei, por favor.
Presidente da Directoria da Fundação para o Desenvolvimento e Apoio do Clube Valdai, Andrei Bystritsky: Muito obrigado.
Senhor Presidente, moderador, senhoras e senhores,
Chegamos à última sessão plenária da reunião anual de Valdai. Creio que progredimos muito durante esta reunião de três dias. Penso que foi uma conferência excepcionalmente interessante. Discutimos questões actuais que irão determinar o nosso futuro. De um modo geral, concentramo-nos em cerca de cinco áreas, cuja evolução determina o nosso futuro.
Tais são: relações internacionais, economia, demografia e migração, tecnologia e tecido social. Estas áreas são importantes por razões óbvias. As questões da guerra e da paz dependem das relações internacionais, mas o desenvolvimento da Humanidade depende da economia. Os assuntos demográficos e migratórios podem perturbar a estabilidade de muitos países. A tecnologia pode mudar as nossas opiniões sobre o que é possível, neste mundo.
E, por último, a estrutura social influenciou sempre a política externa, mas, neste momento, esta influência tornou-se especialmente pronunciada. De um modo geral, a conferência lançou luz sobre muitas questões e também levantou muitas dúvidas. Por um lado, parece concordarmos que o mundo moderno é impensável sem instituições internacionais e sem direito internacional, mas o estado actual dos mesmos, não é o ideal. O mundo tem necessidade de desenvolver e melhorar as instituições existentes e, possivelmente, criar instituições novas ou mesmo, instituições complementares.
É interessante verificar que, quando discutimos as contradições naturais entre os principais intervenientes globais, a maioria dos nossos especialistas admitiu que essas contradições não são insuperáveis e que há uma oportunidade, ainda que pequena, de superá-las e de chegar a um acordo. É curioso que muitos especialistas apontam que, se bem que os Estados Unidos continuem a desempenhar um papel importante, a influência de muitos países, principalmente da China, da Índia e da Rússia, tem vindo a crescer, o que não acontece com a Europa Ocidental, cuja capacidade e actividade têm sido insuficientes, apesar do seu poderio económico. Aliás, as mesmas parecem estar a diminuir em comparação com as da Ásia e da Rússia, que estão a aumentar.
Também discutimos áreas que não dependem directamente da política e das autoridades, nomeadamente, tecnologias e migração. Numa sessão sobre a migração intitulada ‘O Mundo após a Migração’, a idéia foi levantada de que a sessão deveria ter sido designada como ‘O Mundo antes da Migração’, porque pode ser que as maiores ondas de migração e as maiores ameaças ainda estejam para chegar.
Muito tem sido dito sobre a tecnologia. Apesar de estarmos conscientes do poder crescente da tecnologia e de ver mesmo, algumas consequências graves, ainda não podemos perceber totalmente a sua escala, influência ou consequências a longo prazo. Como já disse hoje, em parte deve-se ao facto do Clube Valdai e do Centro de Investigação de Opinião Pública VTSIOM, estarem a criar um novo índice para medir o nível de preparação dos países do mundo, em relação ao futuro.
Tivemos, igualmente, duas outras sessões muito interessantes sobre o Médio Oriente e sobre a Europa. Os participantes apresentaram opiniões muito diferentes e, às vezes, opostas.
Também considero que as nossas reuniões com Igor Shuvalov, Vyacheslav Volodin, Sergei Lavrov e Alexei Kudrin, foram muito interessantes.  Tiveram presentes nestes debates, Ella Pamfilova e muitos outros especialistas russos e estrangeiros de destaque.
Em conclusão, é impossível dizer apenas em três minutos, tudo o que aconteceu durante os últimos três dias. Como de costume, vamos submeter à vossa criteriosa atenção, um relatório sobre esta conferência do ClubeValdai.
Obrigado.
Timothy Colton: Excelente.
Então vamos directamente ao que interessa. Temos um grande tema, como podem ver no programa: uma Filosofia de Desenvolvimento Internacional para o Novo Mundo. E o mesmo traz à mente algumas grandes questões que, potencialmente, podem conduzir a muitas direcções diferentes.
Creio que vamos presenciar uma enorme diversidade nos comentários que hoje iremos escutar. Filosofia é uma palavra bastante exigente, mas, considero que, quando se trata do desenvolvimento internacional, não é descabida. Ontem, fiz uma pesquisa no Google, sobre os vocábulos filosofia, internacional e desenvolvimento, e verifiquei que tinham sido feitas 13 milhões de pesquisas. Portanto, não há escassez de termos aplicados a este tema, mas é tão complexo e multidimensional, que presumo, que há muitas facetas do mesmo que merecem ser exploradas, num momento em que os cabeçalhos/manchetes dos nossos jornais e o que vemos na internet,  são dominados, em geral, por uma grande diversidade de perguntas - que têm a ver, é claro, com a segurança, conflitos e com o resto. Portanto, é fácil perder de vista o programa de desenvolvimento, que é verdadeiramente enorme e que está a mudar, como o resto do nosso mundo.
É impressionante ver partes específicas do mesmo, por exemplo, a nossa compreensão conjunta do padrão adequado para o desenvolvimento, que durante uma década ou uma quinzena, foi designado como o consenso de Washington – o mesmo está agora a ser atacado de todas as direcções possíveis. Também é curioso ver o que aconteceu com a ajuda ao desenvolvimento, que é uma parte especializada do mesmo assunto. Houve uma altura, não há muito tempo, em que a ajuda ao desenvolvimento era dominada por um número relativamente pequeno de países muito ricos, com economias capitalistas desenvolvidas - os países ricos da OCDE. Realmente esta situação começou a mudar com a chegada dos chamados doadores emergentes, que são países que costumavam ser beneficiários dessa ajuda e são agora, cada vez mais, países doadores - países que englobam as cinco nações do BRICS - todos eles, incluindo a África do Sul – bem como a Coreia do Sul, a Turquia, a Arábia Saudita, os Estados do Golfo, a Venezuela, o Chile e a Tailândia. E para tornar o assunto ainda mais complicado, um certo número destes doadores emergentes ainda são países beneficiários, de modo que as próprias categorias estão a tornar-se cada vez mais atenuadas e porosas.
Assim, com esta espécie de prelúdio, gostaria de convidar o Presidente Putin a subir ao pódio a fim de discursar. Senhor Presidente, por favor.
.
Presidente da Rússia, Vladimir Putin: 

Tarja, Heinz, Thabo, colegas, senhoras e senhores, 
É sempre um grande prazer ver-vos novamente. Quero começar por agradecer a todos os participantes, da Rússia e do exterior,  aqui presentes no Clube Internacional de Debates de Valdai, pelo vosso papel construtivo neste trabalho, bem como aos nossos ilustres convidados, pela sua disponibilidade em participar nesta discussão pública.
O nosso distinto moderador acabou de me desejar uma boa partida para a reforma e eu ambiciono o mesmo quando chegar o momento. É a abordagem  e a coisa certa a fazer. Mas ainda não estou aposentado e, por agora, sou o líder deste grande país. Como tal, é conveniente mostrar contenção e evitar demonstrações de agressividade excessiva. Penso que em nenhuma situação, esse é o meu estilo.
Mas considero que devemos ser francos uns com os outros, especialmente neste encontro. Acredito que devemos manter discussões sinceras e abertas, caso contrário, o nosso diálogo não faz sentido. Seria insípido e sem o menor interesse.
Creio que, hoje, este estilo de discussão é extremamente necessário, dadas as grandes mudanças que estão a ocorrer no mundo. O tema do nosso encontro deste ano, “Moldando o Mundo de Amanhã”, é muito actual.
No ano passado, os participantes do Fórum de Valdai,  debateram os problemas ligados à actual ordem mundial. Infelizmente, pouca coisa mudou para melhor ao longo destes últimos meses. Na verdade, seria mais sincero dizer que nada mudou.
As tensões geradas pelas mudanças na distribuição da influência económica e política continuam a crescer. A desconfiança mútua cria um fardo que limita as nossas possibilidades de encontrar respostas eficazes para as verdadeiras ameaças e desafios que o mundo enfrenta hoje em dia. De facto, actualmente, todo o projecto da globalização está em crise e na Europa, como bem sabemos, ouvimos vozes a dizer que, neste momento, o multiculturalismo fracassou.
Penso que esta situação, sob muitos aspectos, é devida a escolhas equivocadas, precipitadas e, em certa medida, é o resultado do excesso de confiança das elites de alguns países, há um quarto de século. Naquela época, no final da década de ‘80 e início da década de ‘90, houve uma oportunidade não só para acelerar o processo da globalização, mas também para lhe dar uma qualidade diferente e torná-lo detentor de uma natureza mais harmoniosa e sustentável.
Mas alguns países que se consideraram vencedores da Guerra Fria, não só se avaliaram desta maneira, como o afirmaram abertamente, continuando a remodelar a ordem política e económica mundial de modo a satisfazer os seus próprios interesses.
Na sua euforia, abandonaram, essencialmente, o diálogo fundamental e uniforme com os outros intervenientes da vida política internacional, optaram por não melhorar e não criar instituições universais e aventuraram-se a influenciar o mundo inteiro através da propagação das suas organizações, normas e regras. Eles escolheram o caminho da globalização e da segurança a favor dos seus amados egos, apenas para alguns e não para todos. Mas muitos estavam longe de concordar com essa directriz.
Também podemos ser francos sobre este assunto, pois sabemos muito bem que muitos não concordaram com o que estava a acontecer, mas, nessa época, alguns não estavam capacitados para responder e outros ainda não estavam preparados para fazê-lo. Por conseguinte, o resultado é que o sistema de relações internacionais está num estado febril e a economia global não se pode desvincular da crise generalizada. Ao mesmo tempo, as regras e os princípios, quer na economia, quer na política, estão a ser constantemente distorcidos e, muitas vezes, vemos o que ontem era considerado uma verdade e que alcançara o estatuto de dogma, inverter-se completamente.
Se, hoje, os poderes vigentes encontram algum padrão ou norma que lhes seja vantajosa, eles forçam todos os outros a cumprí-la. Mas se amanhã essas mesmas normas impedirem que algo a seu favor aconteça, eles são rápidos a atirá-las ao lixo, a declará-las obsoletas e a definir ou a tentar definir, novas regras.
Assim, testemunhámos as decisões de lançar ataques aéreos no centro da Europa, contra Belgrado, depois contra o Iraque e a seguir, contra a Líbia. As operações no Afeganistão também começaram sem a decisão correspondente do Conselho de Segurança das Nações Unidas.  Desejando mudar o equilíbrio estratégico a seu favor, estes países  separaram-se do quadro jurídico internacional, que proibia a implantação de novos sistemas de defesa de mísseis. Criaram e armaram grupos terroristas, cujas acções crueis puseram em fuga milhões de civis, deram origem a milhões de pessoas deslocadas e aos imigrantes e mergulharam regiões inteiras no caos.
Vemos como o comércio livre está a ser sacrificado e os países usam sanções como meio de pressão política, ignoram a Organização Mundial do Comércio e tentam estabelecer alianças económicas fechadas, com regras e barreiras rígidas, em que os principais beneficiários são as suas próprias empresas multinacionais. E sabemos que esse facto está a acontecer. Eles percebem que não podem resolver todos os problemas no âmbito da Organização Mundial do Comércio (WTO/OMC) e pensam - Por que razão não colocamos de lado as regras e a própria organização e construimos uma nova em seu lugar? Isto ilustra o que eu disse.
Ao mesmo tempo, alguns dos nossos parceiros não demonstram nenhum desejo em resolver os verdadeiros problemas internacionais do mundo de hoje. Em organizações como a NATO, por exemplo, estabelecida durante a Guerra Fria e hoje, claramente, desactualizada, apesar de toda a conversa sobre a necessidade de se adaptar à nova realidade, não aconteceu nenhuma adaptação objectiva. Vemos tentativas constantes de transformar a OSCE, um mecanismo partilhado e crucial  para garantir a segurança europeia e também a transatlântica, num instrumento ao serviço de interesses da política externa de alguém. O resultado é que esta organização muito importante tem sido enfraquecida.
Mas eles continuam a inventar intimações imaginárias e advertências míticas, como a "ameaça militar russa". É um negócio rentável que pode ser usado para bombear mais dinheiro para os orçamentos de defesa internos, conseguir aliados para os submeter aos interesses de uma única super potência, expandir a NATO e colocar as suas infra-estruturas, unidades militares e armamento, mais perto das nossas fronteiras.
Claro que pode ser uma tarefa agradável e até mesmo rentável, retratar-se como sendo o defensor da civilização contra os novos bárbaros. A única questão é que a Rússia não tem intenção de atacar ninguém. Isso é um absurdo completo. Também li análises escritas por vós, que estais aqui hoje e pelos vossos colegas nos EUA e na Europa.
É algo impensável, descabido e completamente irrealista. Só a Europa tem 300 milhões de habitantes. Provavelmente, todos os membros da NATO juntamente com os EUA, perfazem uma população total de 600 milhões. Mas a Rússia tem apenas 146 milhões. É simplesmente absurdo, conceber tais pensamentos. E ainda assim eles usam essas idéias para alcançar os seus objectivos políticos.
Outro problema mítico e imaginário é aquilo a que só posso chamar a histeria dos EUA, que atraíu mais da suposta intromissão da Rússia na eleição presidencial norte-americana. Os Estados Unidos têm muitos problemas verdadeiramente urgentes, ao que parece, desde a dívida pública colossal até ao aumento da violência devido às armas de fogo e casos de acção arbitrária da polícia.
Poderiam pensar que os debates eleitorais se concentrariam nestes e noutros problemas não resolvidos, mas, ao que parece,  a elite não tem nada  para tranquilizar a sociedade, portanto, tenta distrair a atenção pública, apontando para supostos piratas informáticos, espiões, agentes de influência russos e assim por diante.
Tenho de fazer uma pergunta, a mim e vós também: Alguém imagina que a Rússia pode, de alguma forma, influenciar a escolha do povo americano? De facto, a América não é uma espécie de "república das bananas", mas sim, uma grande potência. Corrijam-me,  se estiver errado.
A questão é que, se as coisas continuarem neste sentido, o que é que está reservado para o mundo? Que tipo de mundo teremos amanhã? Temos respostas para a maneira de conseguir garantir a estabilidade, a segurança e o crescimento económico sustentável? Sabemos como vamos tornar o mundo mais próspero?
Por mais triste que seja, no mundo actual não há um consenso sobre estas questões. Talvez, através dos vossos debates, tenham chegado a algumas conclusões comuns e é claro, que estou interessado em ouvi-las. Mas é óbvio que há uma falta de estratégia e de ideias sobre o futuro. Isso cria um clima de incerteza que tem um impacto directo sobre o humor do público.
Estudos sociológicos realizados em todo o mundo mostram que as pessoas de diversos países e em vários continentes, tendem a ver o futuro como algo obscuro e sombrio. É triste. O futuro não os seduz,de facto, assusta-os. Ao mesmo tempo, as pessoas não vêem oportunidades reais ou meios para mudar nada, para influenciar os acontecimentos e modelar as políticas.
Sim, falando formalmente, os países modernos têm todos os atributos da democracia: eleições, liberdade de imprensa, acesso à informação, liberdade de expressão. Mas, mesmo nas democracias mais avançadas a maioria dos cidadãos não têm nenhuma influência real no processo político, nem nenhuma intervenção directa e verdadeira,sobre o poder.
As pessoas sentem uma lacuna cada vez maior, entre os seus interesses e a visão da elite sobre o único curso correcto, um rumo que a própria elite escolhe. O resultado é que os referendos e as eleições criam,cada vez com mais frequência, surpresas para as autoridades. As pessoas não votam, de maneira alguma, de acordo com o que as organizações oficiais e respeitáveis ​​da comunicação mediática as aconselham, nem segundo o que os principais partidos recomendam.As movimentações públicas que só, recentemente, tenderam demasiado para a esquerda ou para a extrema direita, estão a ocupar o centro do palco e a empurrar para o lado, os pesos pesados ​​da política.
No início, estes resultados inconvenientes foram declarados apressadamente, como anomalias ou um acaso. Mas quando se tornaram mais frequentes, as pessoas começaram a dizer que a sociedade não compreende os que estão na cúpula do poder e que ainda não amadureceram o suficiente para serem capazes de avaliar o trabalho das autoridades para o bem público. Ou afundam-se em histerismo e declaram ser o resultado da propaganda estrangeira, geralmente russa.
Amigos e colegas, gostaria de ter aqui na Rússia, uma máquina de propaganda semelhante, mas, lamentavelmente, não é o caso. Nem sequer temos meios de comunicação mediática globais como a CNN, a BBC e outros. Simplesmente, ainda não temos esse tipo de capacidade.
Quanto à alegação de que a franja e os populistas derrotaram uma minoria apreciável, sóbria e responsável - não estamos a falar de populistas ou de qualquer coisa parecida, mas de pessoas comuns, de cidadãos comuns que estão a perder a confiança na classe dominante. É esse o problema.
A propósito, com um programa político destruído tal como está e com as eleições a deixar de ser um instrumento para a mudança, mas que consiste, apenas, em escândalos e lavagem de roupa suja - quem deu ‘luvas’ a alguém, quem dorme com quem, se me desculparem. Esta situação vai além de todos os limites. E sinceramente, ao olharmos para as plataformas de vários candidatos, dá a impressão de que eles foram feitos do mesmo molde - a diferença é pequena, se é que há alguma.
Parece que as elites não vêem o aprofundamento da estratificação da sociedade e a erosão da classe média, se bem que, ao mesmo tempo, introduzam conceitos ideológicos que, na minha opinião, são destrutivos para a identidade cultural e nacional. E em certos casos, em alguns países, as mesmas elites destroem os interesses nacionais e renunciam à soberania a troco de favores do suserano.
Isso levanta a questão: Quem é realmente a franja? A classe em expansão da oligarquia supranacional e da burocracia, que, de facto, muitas vezes não é escolhida, nem controlada pela sociedade, ou pela maioria dos cidadãos, que quer coisas simples e claras - estabilidade, desenvolvimento livre dos seus países, perspectivas para as suas vidas e para a vida dos seus filhos, salvaguarda da sua identidade cultural, e, por fim, segurança básica para si e para seus entes queridos.
As pessoas estão nitidamente assustadas ao ver como o terrorismo está a evoluir de uma ameaça distante para uma intimidação permanente, como um ataque terrorista poderá acontecer muito perto deles, na rua a seguir, ou mesmo na sua rua, enquanto que qualquer artefacto improvisado – desde um explosivo fabricado em casa até a um camião comum - pode ser usado para levar a cabo um assassinato em massa.
Para mais, os ataques terroristas que aconteceram nos últimos anos em Boston e noutras cidades dos EUA, Paris, Bruxelas, Nice e em cidades alemãs, bem como, infelizmente, no nosso próprio país, mostram que os terroristas não precisam de unidades ou estruturas organizadas - eles podem agir de forma independente, por conta própria, só necessitam ter motivação ideológica contra os seus inimigos, isto é, contra vós e contra nós.
A ameaça terrorista é um exemplo claro de como as pessoas não conseguem avaliar adequadamente a natureza e as causas das ameaças crescentes. Vemo-lo na maneira como os acontecimentos na Síria estão a desenvolver-se. Ninguém conseguiu impedir o derramamento de sangue e lançar um processo de acordo político. Poder-se-ia pensar que, presentemente, teríamos começado a desenvolver uma frente comum contra o terrorismo, depois de negociações tão demoradas, de um esforço enorme e de compromissos difíceis.
Mas tal não aconteceu e essa frente comum não surgiu. Os meus acordos pessoais com o Presidente dos Estados Unidos também não produziram resultados. Havia pessoas em Washington prontas para fazer todo o possível para impedir que esses acordos fossem concretizados. Estes factos demonstram um desejo inexplicável, diria mesmo irracional, por parte dos países ocidentais, de continuar a cometer os mesmos erros ou, como dizemos aqui na Rússia, a repetir continuamente o mesmo erro.
Todos  vemos o que está a acontecer no Afeganistão, no Iraque, na Líbia e numa série de outros países. Tenho de perguntar: Onde estão os resultados da luta contra o terrorismo e contra o extremismo? De um modo geral, ao olhar o mundo como um todo, existem alguns efeitos em determinadas regiões e localidades, mas não há um resultado global e a ameaça terrorista continua a aumentar.
Todos nós temos recordação da euforia ocorrida em algumas capitais, sobre a Primavera Árabe. Onde estão hoje essas fanfarras? Os apelos da Rússia para uma luta conjunta contra o terrorismo foram ignorados. Além do mais, eles continuam a armar, a fornecer e a treinar grupos terroristas, na esperança de usá-los para alcançar seus próprios objetivos políticos. Este jogo é muito perigoso e dirijo-me, mais uma vez, aos jogadores: Neste caso, os extremistas são mais astutos, inteligentes e mais fortes do que vós, e se continuardes esses jogos com eles, ireis sempre perder.
Colegas, é claro que a comunidade internacional deve concentrar-se nos problemas reais enfrentados pela Humanidade, hoje e cuja resolução vai tornar o nosso mundo num lugar mais seguro e mais estável e tornar o sistema das relações internacionais,em algo mais justo e igual. Como disse, é fundamental transformar a globalização para um grupo seleccionado de alguns, em algo disponível para todos. Tenho a firme convicção de que só podemos superar estas ameaças e desafios, trabalhando em conjunto, apoiados no fundamento sólido do Direito Internacional e da Carta das Nações Unidas.
Hoje em dia, a Organização das Nações Unidas, continua a ser uma instituição que não tem paralelo na representatividade e na universalidade, um local único para o diálogo equitativo. As suas regras universais são necessárias para incluir o maior número de países possível, na integração económica e humanitária, garantindo a responsabilidade política e de trabalho dos mesmos, para coordenar as suas acções e também, para preservar os seus modelos de soberania e de desenvolvimento.
Não temos dúvida de que a soberania é a noção central de todo o sistema de relações internacionais. O respeito pela soberania e pela sua consolidação vai ajudar a garantir a paz e a estabilidade, tanto a nível nacional como internacional. Há muitos países que podem confiar numa história que remonta milhares de anos, como a Rússia, e apreciamos a nossa identidade, liberdade e independência. Mas não procuramos exercer dominação global, expansão ou confronto sobre ninguém.
De acordo com a nossa mentalidade, a verdadeira liderança reside em analisar os problemas reais, e não em tentar inventar ameaças míticas e usá-las para cilindrar os outros. Isto é exactamente como hoje a Rússia percebe o seu papel nos assuntos globais.
Há prioridades, sem as quais, um futuro próspero para o nosso planeta partilhado é impensável, e as mesmas são absolutamente incontestáveis. Não estou a referir nada que seja novo. Primeiro de tudo, há uma segurança igual e indivisível para todos os estados. Só depois de pôr fim aos conflitos armados e assegurar o desenvolvimento pacífico de todos os países é que seremos capazes de dialogar sobre o progresso económico e sobre a resolução de problemas sociais, humanitários e de outras questões essenciais. Presentemente, é importante combater o terrorismo e o extremismo. Foi dito mais de uma vez que esse mal só pode ser superado através de um esforço concertado de todos os estados do mundo. A Rússia continua a oferecê-lo a todos os parceiros interessados.
É necessário acrescentar à agenda internacional a questão de restaurar nos países do Médio Oriente,  o estatuto de nação independente, de economia e de esfera social. A escala gigantesca de destruição exige a elaboração de um programa global a longo prazo, uma espécie de Plano Marshall, para revitalizar a área assolada pela guerra e pelos conflitos. Claro que a Rússia deseja associar-se activamente a estes esforços conjuntos.
Não podemos alcançar a estabilidade global, a menos que possamos garantir o progresso económico global. É essencial fornecer condições para estabelecer o trabalho criativo e o crescimento económico a um ritmo, que poria fim à divisão do mundo em vencedores e perdedores permanentes. As regras do jogo devem dar às economias em desenvolvimento, pelo menos uma oportunidade de recuperar o atraso em relação aos que designamos como economias desenvolvidas. Devemos trabalhar para nivelar o ritmo de desenvolvimento económico e preparar os países e as regiões atrasadas, de modo a tornar o fruto do crescimento económico e do progresso tecnológico acessível a todos. Iria ajudar, especialmente, a pôr fim à pobreza, um dos piores flagelos contemporâneos.
Também é completamente evidente que a cooperação económica deve ser mutuamente lucrativa e basear-se em princípios universais para permitir que todos os países se tornem em parceiros iguais, nas actividades económicas globais. É verdade que a tendência para a regionalização da economia mundial provavelmente irá persistir a médio prazo. No entanto, os acordos comerciais regionais devem complementar e expandir e nunca substituir as normas e os regulamentos universais.
A Rússia advoga a harmonização de formatos económicos regionais, baseados em princípios de transparência e respeito pelos interesses de cada um. É assim que organizamos o trabalho da União Económica da Eurásia e conduzimos as negociações com os nossos parceiros, particularmente em coordenação com o projecto do Cinto Económico da Rota da Seda, que a China está a efectivar. Esperamos promover uma ampla parceria euroasiática, que promete evoluir para um dos centros de formação de uma vasta área de integração euroasiática. Para colocar em prática esta ideia, as conversações entre os 5 + 1 já começaram, a fim de obter um acordo de cooperação económica e comercial, entre todos os participantes no processo.
Uma das nossas tarefas importantes é desenvolver o potencial humano. Apenas um mundo com amplas oportunidades para todos, com trabalhadores altamente qualificados, com acesso ao conhecimento e com uma grande variedade de maneiras de realizar o seu potencial é que pode ser considerado, verdadeiramente, um mundo livre. Só um mundo onde as pessoas de diversos países não lutem para sobreviver, mas levem uma vida plena, poderá ser reconhecido como estável.
Um futuro decente é impossível sem a protecção do ambiente e sem a abordagem dos problemas climáticos. Por este motivo é que será uma prioridade para as próximas décadas, a conservação do mundo natural e da sua diversidade, e a redução do impacto humano sobre o meio ambiente.
Outra prioridade são os cuidados de saúde ao nível global. Claro, há muitos problemas, tais como epidemias em larga escala, diminuição da taxa de mortalidade em algumas regiões e afins. Então, há um enorme espaço para o progresso. Todas as pessoas do mundo, não só a elite, devem ter o direito a uma vida longa, plena e saudável. É um objetivo nobre. Resumindo, devemos construir hoje, as bases do mund do futuro, através do investimento em todas as áreas prioritárias do desenvolvimento humano. E, claro que é necessário continuar um debate amplo do nosso futuro comum, para que todas as iniciativas sensatas e promissores sejam escutadas.
Colegas, senhoras e senhores, estou confiante que vós, na qualidade de membros do Clube Valdai, ireis participar activamente neste trabalho. A vossa experiência permite-vos compreender todos os ângulos dos processos em curso, quer na Rússia, quer no mundo, bem como prever e avaliar as tendências a longo prazo e apresentar novas iniciativas e recomendações, que nos irão ajudar a encontrar o caminho para um futuro mais próspero e sustentável, de que tanto precisamos.

Muito grato pela vossa atenção.

A continuar...

No comments:

Post a Comment

PUTIN FRENCH



2017 FSB Meeting - RO from Roberto Petitpas on Vimeo.

BOTH VIDEOS AVAILABLE IN ENGLISH,FRENCH, ROMANIAN, PORTUGUESE

PRESIDENT





Labels

A BRAMERTON A. Orlov Abayomi Azikiwe ABIZAID ABOGADOS ABOGADOS PROGRESISTAS DE ESPAÑA Acción secreta activism Ajamu Baraka AL-ASSAD AL-HUSAINI Aleksandar PAVIC alex gorka Alex Lantier Alexander Azadgan ALEXANDER DUGIN ALEXANDER KUZNETSOV Alexandra Bruce Alexandre Artamonov ALEXIS Ambrose Evans-Pritchard an Greenhalgh Ana de Sousa Dias ANA SOUSA DIAS ANASTASOV Anatol Lieven Andre Vltchek ANDREI AKULOV Andrew Griffin Andrew Korybko Andrew P. Napolitano Andrey Afanasyev animals Ann Diener Ann Wright Anna Von Reitz Anne Speckhard Ph. D. Anne Speckhard PH. D Anti-Media News Desk aRABIC ARAM MIRZAEI Ariel Noyola Rodríguez Asaf Durakovic Asma Assad ASMOLOV ASSANGE Avelino Rodrigues AVNERY BAKER bankers BAOFU Barrett Brown Bashar al-Assad Baxter Dmitry BECKER Before it's News BEGLEY BERGER BILL SARDI Binoy Kampmark BOGDANOV Brazilian BRENNAN BRIAN CLOUGHLEY BULGARIAN BUTLER CABRAS Carey Wedler CAROL ADL CARTALUCCI CATHY O'BRIEN cats Chelsea Manning Choice and Truth Chossudovsky Chris Cole CHRIS HEDGES Christopher Black CIA Claire Bernish clinton Collective Evolution Comunidad Saker Latinoamérica COOK Covert Action Craig McKee CUNNINGHAM CURRENT CONCERNS Daniel Lazare Daniel McCARTHY Daniele Ganser DANSK Darius Shahtahmasebi DARK JOURNALIST DARK JOURNALISTt DAVID HOROVITZ David Lemire David STERN David Swanson DEAN Deena Stryker Deutsch DINNUCI DIPLOMACY Dmisa Malaroat DMITRIY SEDOV Dmitry Minin Domenico Losurdo Donald Trump doni DONINEWS Dr. Kevin Barrett DUFF DUGIN EDITOR'S CHOICE EDWARD SNOWDEN Eliason Eliseo Bertolasi EMMONS endgahl ENGDAHL Eric S. Margolis Eric Zuesse ESCOBAR EUROPE Evan at Fight for the Future F. William Engdahl FANG Farage farewell address FEDERICO PIERACCINI FERRIS Field McConnell finance Finian Cunningham FORBIDDEN KNOWLEDGE TV forbidden nowledge Foster Gamble four horsemen Fr. Andrew Phillips FRANCESCA CHAMBERS Francesco Colafemmina Freeman FRENCH FRISK FULFORD Fuller G20 SUMMIT GALLAGHER Gareth Porter GARY NORTH General Flynn George Gallanis GERMAN GERMANOS Gilad Atzmon Gilbert Doctorow Glenn Greenwald GLOBAL RESEARCH GORDON GORDON DUFF Graham E. Fuller GREENHALGH GREENWALD Greg Hunter Gregory Copley GRETE MAUTNER GUEST CONTRIBUTORS GUNNAR GUTERRES HAGOPIAN Hakan Karakurt Herbert McMaster HERMAN hill HILLARY CLINTON hollywood http://www.independent.co.uk/ http://www.northcrane.com/ http://www.salem-news.com/ http://yournewswire.com/ HUDON HUDSON ideeCondividi INAUGURATION Inform Clear House Internet IODINE ITULAIN Ivan Blot JALIFE-RAHME JAMES James Comey JAMES CORBETT JAMES GEORGE JATRAS James ONeil JAMES PETRAS Jane Grey Jay Greenberg Jean Perier Jean Périer Jean-Claude Paye JEFFREY SMITH JEZEBEL JILL STEIN Jim W. Dean Joachim Hagopian john McCain JOHN PILGER John Podesta John W. Whitehead JONAS E. ALEXIS Jonathan Marshall JONES Joseph Thomas JULIAN ASSANGE KADI Kadir A. Mohmand Kadyrov kalee brown Karen Kwiatkowski Karine Bechet-Golovko KATEHON KATHEON Katherine Frisk Ken O’Keefe Kenneth P. VOGEL KERRY BOLTON Kerry Cassidy Kerry Picket Kevin Barret. VT Kim Petersen KIMBERLEY KINZER KIRYANOV KOENIG Konstantin Asmolov KORYBKO KORZUN Krum Velkov Larry Chin Laurent Gerra lavr LAVROV LE PARISIEN Le Saker Francophone LENDMAN Lionel Shriver LOFGREN LVOV MACMILLAN macron Makia Freeman Manlio Dinucci Manlio Dinucci - Manuel Ochsenreiter Marco Cassiano MARCUS WEISGERBER MARGARET KIMBERLEY MARIA ZAKHAROVA Mark Citadel Mark Taliano Markus Frohnmaier Martin Berger MARUSEK Matt Peppe MATTEO rRENZI MATTHEW COLE MATTHEW JAMISON MCLAUGHLIN MÉLENCHON MELKULANGARA BHADRAKUMAR MERCOURIS MEYSSAN MICHAEL AVERKO Michael Brenner Michael Hudson MICHAEL JABARA CARLEY Michael S. Rozeff Michael T. Klare Middle East MIG video Mike Whitney MINA Mint Press News MintPressNews MIRANDA Misión Verdad MKULTRA Mohamed Mokhtar Qandiel MOHMAND Montenegro MOON OF ALABAMA moonofalabama MOST DAMAGING WIKILEAKS NATO NEO NEWS DESK Nicholas Nicholaides Nick Turse NIKANDROV Nile Bowie NISSANI NOVOROSSIA novorussia NYTIMES obama obamas Olivier Renault ONU ORLOV OSCAR FORTIN PALESTINE PARRY Patrick J. Buchanan Patrick Martin PAUL CRAIG ROBERTS Paul Fitzgerald Paul R. PILLAR Paul Street PAYE PCR Pedro Bustamante PEPE ESCOBAR Peter Dale Scot Peter Dale Scott Peter Koenig PETER KORZUN PETRAS Ph.D Phil Butler PICCARD Pierre Farge PILGER PISKORSKI PODESTA Pope Francis PORTUGUESE PRAVDA prc PRESTON JAMES Prof Michel Chossudovsky Prof Rodrigue Tremblay Project Veritas PUTIN PYOTR ISKENDEROV Queen Elizabeth Rajan Menon Raphaël Meyssan rebecca gordon Redmayne-Titley RELAX réseau Réseau International Réseau Voltaire Réseau Voltaire: Revue Défense Nationale Ricardo Vaz RICHARD DOLAN Richard Galustian Richard Labévière Richard Spencer Rick Sterling Rob Urie Robert Bridge Robert J. Burrowes Robert J. O’Dowd Robert O’Dowd ROBERT PARRY robert steele ROBERTS rof. Mohssen Massarrat ROLAND Roland San Juan blog ROMANIA PROTESTS ROMANIAN Ron Aledo RON PAUL Ron Paul Institute RT Rudolph Giuliani RUDY GIULIANI RUSSIA TODAY RUSSIAN Russian Insider Russie politics Russka RUSSOPHILE Ryan Dawson Ryan Gallagher Salman Rafi Sheikh sana sanders SANTOS SILVA SCAHILL SCOTT Scott Humor Sean Adl-Tabatabai SERGEY LAVROV Seth Ferris SHAKDAM Shawn Hamilton SHEIKH SIMON PARKES Smith & Wesson SNOWDEN SNYDER Sophie & Co Soros SOUTH FRONT SOUTHFRONT SPANISH speech GERMAN MP Speer-Williams Sputinik sPUTNICK SPUTNIK STACHNIO State of the Nation Stephen Kinzer Stephen Lendman Steve Pieczenik STEVE PIECZENIK: STONE STORM CLOUDS GATHERING StormCloudsGathering.com Strategic Culture STRATTON STRYKER Sunagawa Syria TAKEHON TALIANO TASS TEREHOV The Anti-Media THE INTERCEPT THE SAKER the true activist THERAPEOFJUSTICE Thierry Meyssan Third Presidential Debate Tillerson tom dispatch TOM ELEY Tom Engelhardt Tom Feeley TOM JOAD TomDispatch TOMGRAM Tony Cartalucci True Activist TrueActivist.com trump TSUKANOVA TTIP TURKEY TYLER DURDEN Udo Ulfkotte Ukrainian Deserter USA ELECTION USA ELECTIONS Valentin Vasilescu Van AUKEN Vanessa Beeley VASILESCU Vault 7 Veteran Intelligence Professionals for Sanity VETERANS TODAY VETERNAS TODAY Victory Day video videos VIETNAM VETERANS Viktor Mikhin VITALY CHURKIN Vladimir Chizhov Vladimir Safronkov VLTCHEK VT Waking Times WANTA Washingtons blog WAYNE MADSEN WESTBERG Westmoreland WHITEHEAD Whitney Webb WIKILEAKS Wikispooks William Blum WOODS world cup 2018 Xi Jinping Yanis Varoufakis YEMEN Youssef A. Khaddour ZAKHAROVA ZÉ GERALDO ZEROHEDGE ZUESSE