PREVIOUS FREE PAGES BLOG

PREVIOUS FREE PAGES BLOG
DIPLOMATIC FREE PAGES - click image

Monday, October 24, 2016

KATEHON -- Guerra de palavras


Resultado de imagem para picture of war of words
04.06.2016
Guerra de palavras (I): A retórica do pós-modernismo e a distorção da linguagem.
Haven’t you heard it’s a battle of words? The poster bearer cried.
Listen son, said the man with the gun, There’s room for you inside.

Pink Floyd, ‘Us and them’ (do album ‘The Dark Side of the Moon’)
Para a estratégia de reprodução do pós-modernismo, assinalada sobretudo pela ausência de qualquer permanência e qualquer limite, o domínio da linguagem e a sua consequente manipulação – possui uma importância relevante. É claro que a aceitação da actual (des-)ordem social e individual e o grau de obediência à mesma, será muito mais integro e perfeito, harmonioso e sem frestas por parte dos cidadãos se estes assumirem e adoptarem para si a forma de pensar do sistema, como se esta fosse uma segunda natureza. Terão de interiorizá-la, senti-la como própria e não como algo imposto, para que desta forma a introduzam no seu próprio modo de pensar e sentir, mais ainda que de viver. Assim, por exemplo, o capitalismo, por meio de vários subterfúgios psicológicos – como o complexo de atraso ou a ambição mefistofélica – cria o desejo terrível que move inexoravelmente os cidadãos modernos – inconformes com tudo, sempre infelizes – no vendaval infinito do consumo.

Para esta ordem que anima e explora as debilidades humanas e que não permite que o Homem se aceite como é, mantendo-o sempre inconformado e a desejar ser outro, a dissidência mais perigosa é a que se dá nas ordens do pensamento e do sentimento, pois o ser humano dono de si próprio, que conhece as suas emoções e limites será infinitamente mais difícil de submeter e dirigir. De facto, um homem idealmente feliz seria por completo alheio à febre consumista. Então, a ordem moderna requer, para se manter, de homens débeis, receosos, complexados, atormentados no seu interior, de obediência fácil, porque carecem de metas e ilusões, que sempre se curvam perante a voz de mando da televisão. A dissidência interior – que se situa no nível anímico – é a fundamental, a única que pode conduzir a uma resistência firme, apoiada no convencimento profundo de que é possível um outro mundo y não o do desejo passageiro, que sempre pode ser desviado pela sociedade-espectáculo para algum sucedâneo anestesiante. Pensem no uso do sexo ou da droga como “evasivos”, exemplos extremos do mesmo na nossa sociedade. Pelo contrário, se pensamentos e emoções seguem o curso actual teledirigidos desde o poder, qualquer alternativa a esta ordem será impossível, inclusivamente, de imaginar na prática.
A “guerra de palavras”.
Portanto, estamos perante uma autêntica guerra no campo das ideias, cujo objectivo, agora, é mais contagiar os seus valores através das emoções do que convencer por meio de “razões”. E já que a fala é o veículo natural das ideias, a linguagem converte-se assim no campo de batalha onde se trata de submeter as escassas resistências que ainda existem, ao discurso do modernismo. Por isso é exactamente na ordem da linguagem, a única ferramenta que torna possível o pensar e imaginar, onde se trava a grande batalha, psicológica e ideológica (I) e onde se pode romper por parte do poder a última e mais profunda resistência, apresentada por parte de indivíduos e comunidades. Sim, por meio desta minuciosa operação de adulteração, a linguagem é definitivamente redesenhada e qualquer alternativa á ordem actual será completamente impossível, tanto de pensar como de comunicar.
Isto é algo que as ciências sociais modernas – a economia, a psicologia e a sociologia – que trataram de justificar de forma pretensamente científica, de naturalizar e de dar legitimidade moral ao liberalismo e ao cientificismo desde a sua origem, compreenderam perfeitamente. E por isso aplicaram-se para a criação de uma verdadeira nova-língua que correspondesse plenamente a esta sociedade nova que eles redesenharam, novo-idioma em que inúmeras palavras são de criação nova, enquanto muitas outras, já existentes têm sido afastadas do seu contexto e profundamente adulteradas nos seus significados verdadeiros e originais. (2) Para começar deveria citar o conceito de psicologia, ao qual a disciplina académica que se apropriou dele, não honra.
Nesta “guerra de palavras”, alguns termos vêem-se especialmente prejudicados, muito mais do que se fossem simplesmente esquecidos ou proibidos; são aqueles que tendo-se situado perto do centro do paradigma anterior – o paradigma tradicional - ou sendo referências óbvias ao mesmo, são reutilizadas agora, como armas de publicidade pela nova retórica do pós-modernismo, para o qual tiveram de ser redefinidos. Para consegui-lo, esses termos tiveram de ser privados dos seus significados originais e receber outros novos, por meio de raciocínios particularmente insidiosos e artificiosos.
Novamente, encontramos aqui esse carácter do modernismo que já descrevemos anteriormente como “cultura do palimpsesto”, aqui aplicado à linguagem: trata-se de um vaziado sistemático de certos significados. Um procedimento de vaziamento e distorção que torna possível os “novos usos” dessas palavras. O apagado – ou esquecido – do significado original de uma palavra tem um efeito duplo:
Por um lado deixa a palavra “oca”, pronta para ser “inoculada”, e adoptar um significado novo estrategicamente relevante, o qual deve ir associado preferivelmente a emoções básicas (como esperança, medo, etc.).
Priva o significado anterior do seu veículo de transmissão próprio, que também é o vínculo que o une com a realidade, por meio do qual podia ser expresso e comunicado no mundo dos Homens. Quer dizer, ao ser privado da palavra que lhe servia de suporte, o antigo significado emudece, passa a ser invisível e pouco a pouco deixa de existir.
Foi assim que o modernismo criou um novo discurso, o seu particular novo-idioma, que se pode qualificar sem dúvida alguma de revolucionário – pois revolucionou a linguagem, em primeiro lugar, alterando muitos dos seus termos e significados – apoiado na ressignificação e adulteração constantes de muitos conceitos por parte das disciplinas universitárias. Esta nova língua faz uso de uma nova retórica que possui um amplo leque de lugares-comuns, de referências habituais, de raciocínios próprios – baseados em vulgaridades lógicas – e que conta inclusivamente com os seus próprios dogmas e axiomas irrebatíveis que não se pode ousar questionar.
O objectivo de tudo isto é limitar a capacidade de imaginar dos indivíduos, fechar os seus horizontes e dirigir indirectamente o seu pensamento, pois a linguagem é a ferramenta privilegiada que não só torna possível o falar e se comunicar, mas também sonhar e imaginar.
Assim vai-se produzindo um escurecimento progressivo da linguagem que parece cada vez mais incapacitada para alcançar – e remitir  – as realidades subtis. Ao ver-se empurrada para o prosaico, a linguagem vai perdendo a sua capacidade referencial e simbólica com respeito aos planos superiores e com ela o seu valor de encantamento. Contra o que se costuma pensar desde o ponto de vista profano, farta de um progressismo e evolucionismo infantis, a linguagem, agora é muito mais materialista que nas suas origens, pois como dizemos viu profundamente dizimada a sua qualidade simbólica e alegórica, que é precisamente o que lhe faz ser portadora de verdades de ordem subtil mais que material.
Sem dúvida esta qualidade é intrínseca, por natureza, à própria linguagem e é impossível extirpá-la por completo – o espírito sopra onde quer – mas claro, sim é possível impedir que se manifeste na prática quotidiana do falar, pensar e imaginar. Trata-se de um processo de ocultação da verdade – algo ao que já se refere e com esta mesma expressão, Heidegger – de escurecimento, de afastamento da origem, de penetração nas trevas: o materialismo como horizonte vital único. Aqui dilui-se a possibilidade de encantamento do mundo tão próprio da poesia (3), irremediavelmente danificado pela vulneração da própria linguagem que já só serve para o prosaico. O emprego de um discurso público cada vez mais vulgar, apegado ao terrenal e menos belo, é uma boa prova da mediocridade em que o modernismo quer sepultar a linguagem e com ela toda a realidade…e é que ao capitalismo não lhe agrada a poesia – que sempre foi o veículo privilegiado do luminoso – e sendo a poesia a linguagem própria dos anjos e dos profetas, existe neste fenómeno algo muito mais sério do que poderia parecer a simples vista.
É importante não esquecer que a linguagem é o instrumento mais subtil e persuasivo de ideologização e implantação de ideias e portanto de dominação. Nas últimas décadas, este processo tomou uma relevância enorme, particularmente perceptível na formação de uma nova classe política no mundo ocidental; classe essa que já não tem nem líderes populistas nem tecnocratas-gestores senão e acima de tudo, actores, leitores e porta-vozes cuja função é dar cara e voz a um discurso que não criam, em absoluto, mas que sem dúvida partilham e ao qual servem, discurso que é aquele que deve ser ouvido. Aqui fazemos ênfase nesta categoria social dos políticos, pela simples razão de que o seu objectivo é, junto com os meios de comunicação maciços, transmitir e comunicar o que se deve pensar.
Digamo-lo claramente: estamos perante uma estratégia de aculturação maciça e premeditada, desenhada subtilmente, para a qual são necessárias grandes equipas de técnicos e especialistas, sobretudo das categorias sociais – sociólogos, psicólogos, etc. – O papel que a intelectualidade progressista - os marxistas dos anos 60, por exemplo – tiveram na criação e implantação desta nova-língua, como mono discurso a nível mundial, nunca será suficientemente denunciado. Uma estratégia de implantação que nas últimas décadas tem sido conscientemente estudada, desenhada e posta em prática pela anti elite neoliberal, que tem recolhido o testemunho dos marxistas intelectuais da academia universitária que, actualmente goza de grande prestígio e ocupa todos os núcleos de poder da sociedade ocidental e marca o seu rumo. Anti elite que outorga um peso muito notável à “imagem”, mais como aparência e simulacro, mas menos como símbolo, ao “como” mais que ao “quê”, ao exterior mais que ao interior e ao discurso e à retórica como ferramenta de aculturação e dominação direccionadas à submissão do Homem.
No fundo, tendo em conta que se trata de um projecto de grande magnitude de engenharia social, tudo isto não difere muito das trabalhosas campanhas de propaganda que os comunistas colocavam em prática a fim de ideologizar no marxismo, as suas massas de trabalhadores que eram o seu “objectivo público”, em termos da nova língua moderna, para o que tinham de conseguir renovar todo o seu vocabulário – e com ele o seu modo de pensar – até que passavam de simples trabalhadores a proletários com consciência de classe e homens e mulheres explorados por camaradas da revolução. Só que agora a ideologização é muito mais subtil. Agora a doutrinação é certamente, muito mais passiva, graças à grande indústria audiovisual, pilar fundamental da educação pós-moderna, de tal modo que já não se requer de nenhum esforço consciente por parte do sujeito a (re-)educar: já não é necessário ler todos esses manuais indigestos sobre a luta de classes e a revolução, com todas essas teorias absurdas sobre o Homem. Basta ver uma sessão de notícias ou um filme de ficção…
A guerra de privação que dirige o modernismo contra a herança social e cultural de milhares de anos trava-se em todas as frentes. No material, roubando, com certeza, desde legalidades impostas, os recursos de todos os povos e obrigando-os a sobreviver sob uma nova ordem material e social, capitalista e colonizadora, com horários e modos de vida antinaturais dos que é impossível “se libertarem”. Mas também trava-se uma batalha no campo mental impondo através de uma propaganda muito severa e monolítica as ideias e gostos, mais convenientes para que os indivíduos se conformem e se enquadrem na realidade da nova ordem e a sintam, senão como absolutamente boa e desejável, pelo menos como algo inevitável – aqui, diga-se de passagem, a naturalização de noções como história e progresso, têm um rol central.
Por tudo isso, como já o propusemos em outras ocasiões a luta contra o paradigma moderno e liberal deve ser estabelecida em primeiro lugar, no plano das ideias. Qualquer alternativa real à ordem imposta pelo modernismo, deve começar a ser construído não desde a acção mas desde o âmbito do pensamento. Âmbito cujo estado, é verdadeiramente desolador, actualmente, pois até os que se pretendem opor a muitas das realidades particulares e específicas com que o capitalismo nos horroriza, partilham as suas suposições ideológicas e morais mais profundas – competitividade, progressismo, individualismo, etc. - formam parte do seu próprio paradigma moderno.
Então, deve-se tratar de estruturar um discurso verdadeiramente alternativo, o que se pode descrever graficamente como transversal ou ortogonal ao discurso e à retórica normativos de agora. Buscar tais alternativas passa em primeiro lugar, por resistir à ocupação e colonização da alma do Homem, que o modernismo pretende, último baluarte da sua liberdade e para isso é imprescindível resgatar a linguagem e a imaginação de onde estão, agora. Recuperar o valor das palavras, reivindicar o seu valor de verdade e o seu papel como chaves privilegiadas com as que construir o mundo.
Esta necessidade de mudar, dentro do possível, o campo de batalha, desde o qual combater o modernismo, obedece também a razões que poderíamos denominar estratégicas. Em primeiro lugar, a reapropriação por parte das associações ou comunidades que pretendem construir uma nova ordem, dos recursos comuns expropriados e concentrados por parte das forças capitalistas durante os últimos quase três séculos, revertendo o processo de concentração de capital, é inevitável a curto prazo, pelo menos. Em segundo lugar porque, ainda que a tal reapropriação dos recursos fosse factível não conduziria a nenhuma realidade diferente se continuássemos a manter – e a partilhar – os mesmos princípios ideológicos – uma vez mais usamos a palavra no seu sentido profundo – que são os ordenadores de toda a sociedade e que deram lugar á anormalidade moderna, pois com matéria- prima igual, seria impossível construir um edifício com bases distintas.
Guerra de palavras (II): Razão e Intelecto
Podemos citar muitos exemplos de termos que foram alterados ou distorcidos no seu significado original, mas iremos referir-nos a uns poucos que consideramos mais determinantes por estarem vinculados na sua origem a concepções tradicionais das quais foram completamente afastados pela “retórica moderna”, até ao ponto de que se nos limitamos ao uso habitual que se faz deles na actualidade, passariam por termos completamente profanos.
Na realidade este é o último objectivo de toda aquela imensa operação de lavado da linguagem que temos descrito e que passa sobretudo por redefinir as palavras com o fim de profaná-las, quer dizer, privá-las do seu sentido sagrado – que lhes é extirpado com o objectivo de impedir que se possa fazer referência ao mesmo – e rebaixá-las a um marco exclusivamente profano, mundano, onde sejam susceptíveis de ser utilizadas como armas de propaganda, segundo os objectivos estratégicos ou interesses particulares do momento.
É o mesmo que sucede com termos, como ideologia ou filosofia, por exemplo, que estão realmente afastados do que significam, etimologicamente, pelo que ficam profundamente reduzidos na sua capacidade de capturar e modificar a realidade.
A palavra ideologia – da qual tentaremos ocupar-nos nalguma próxima oportunidade – que literalmente deveria referir-se à ciência das ideias, foi manipulada tão vulgarmente pelos movimentos mais diversos, de engenharia social e tão ridiculamente reduzida à infame realidade política, que acompanha todo o modernismo como uma remora inseparável, que carece de qualquer valor epistemológico, apesar de que bem entendida deveria ser uma pedra angular em qualquer estudo profundo de uma sociedade.
Por outro lado o termo filosofia foi desvirtuado ao longo dos últimos séculos até significar para o ocidental moderno, algo radicalmente diferente do que significava para os gregos, que o criaram na antiguidade. Para os mestres da Grécia Antiga, a filosofia não era um simples jogo da razão, senão um caminho para a sabedoria – a Sophia Perennis – e como esse caminho até uma meta superior envolvia um alto grau de esforço e sacrifício.
E como “caminho” envolve movimento, desenvolvimento, esta ideia de movimento está contida no qualificativo de peripatéticos (aquele que ensina caminhando) com que foram conhecidos os seguidores de Aristóteles e que se podia referir tanto a que estavam a passear enquanto conversavam ou meditavam – prática de meditar caminhando que, curiosamente, os monges medievais, recuperariam mais tarde, nos seus mosteiros – como ao facto de que os verdadeiros filósofos eram itinerantes e não tinham residência fixa.
Esta referência ao movimento pode ser entendida, também, no seu sentido mais físico e literal, pois o pensamento associa-se de maneira natural ao movimento do corpo (4) e ao futuro da existência, do mesmo modo que a quietude – a “apatheia” – se associa com a contemplação, a estabilidade e a imperturbabilidade próprias do Ser. De modo que não é aventurado sustentar que os dois métodos de trabalho – quietude e movimento, ao modo das duas fases da respiração – eram empregados convenientemente por parte dos verdadeiros filósofos que eram aqueles que colocavam em prática tal disciplina e ordenavam toda a sua vida segundo a mesma. Só assim, entendendo que a filosofia antiga envolvia um modo de vida – modo de vida que, geralmente afastava o filósofo do mundo e da vida pública e que muitas vezes o obrigava a uma série de renúncias – é compreensível que essa vida não fosse compatível com as frivolidades do “saeculum”, pois certamente a divagação racionalista pura, não é em absoluto, compatível com a imoralidade política ou a falta de carácter pessoal.
De outro modo resulta difícil explicar que os mestres da antiguidade insistissem tão frequentemente em que a filosofia era um caminho árduo, que exigia sacrifícios constantes e que não estava ao alcance de todos…como poderiam dizer tal coisa, se tivesse consistido no entretenimento de cadeira e biblioteca próprios de um diletante que chegou a ser com o modernismo, uma actividade completamente mental e afastada por igual, tanto da realidade vital das pessoas, como de qualquer atitude contemplativa?
Abandonada a um racionalismo e um subjectivismo radicais, a filosofia do modernismo é certamente um solipsismo grotesco nos seus pessoalismos exagerados, o seu desprezo pelas tradições ancestrais e a sua carência de raízes verdadeiramente profundas. É evidente que não era a essa filosofia a que se referiam os mestres antigos. Portanto a filosofia moderna não passa de ser mais que uma vítima do híper racionalismo moderno, que idolatrou até ao ridículo a faculdade racional do Homem.
A razão e o intelecto (5).
Por outro lado, essa atitude contemplativa que indicámos algumas linhas atrás, faz-nos reflectir acerca de outro termo que tem sido profundamente alterado no seu significado pelo modernismo: referimo-nos à noção de “intelecto” e ao adjectivo que se deriva da mesma, “intelectual”.
Precisamente por causa da mistificação da razão, o intelecto – considerado, antigamente, a mais alta das capacidades humanas – passou a ser, na prática sinónimo de razão, da mesma forma que a palavra intelectual se transformou, no melhor dos casos, em sinónimo de racional, ainda que toma muitos outros usos, todos eles impróprios (6) e alguns claramente depreciativos. O mesmo comentário poderia ser feito com respeito ao conceito de “inteligência”, constructo particularmente maltratado por parte da psicologia moderna, que o esvaziou por completo da sua dimensão verdadeira para ir-lhe outorgando novos significados que se encaixem nos seus preconceitos, segundo as modas científicas do momento.
Já explicamos noutros momentos, a distância que existe entre ambas faculdades, “intelecto e razão”: a capacidade intelectual é directa e não discursiva e associa-se ao modo de saber sintético e intuitivo próprio da “gnosis” (conhecimento) das tradições gregas e helenísticas (7). A razão é indirecta, não capta o noúmeno (o pensado) de forma intuitiva senão que avança às escuras, a fazer conjecturas, a analisar, a dar hipóteses, quer dizer, reflectindo. Enquanto o procedimento do intelecto é idêntico, a razão é analítica e requer de um certo desenvolvimento para se comunicar (8).
Para além do indicado anteriormente a faculdade intelectual do Homem, associa-se directamente com o intelecto puro e superior que se corresponde com a noção de Buddhi oriental – do qual procede. Por sua vez a razão – que procede da capacidade intelectual, por reflexo, como a luz da lua procede do sol – é uma virtude exclusivamente humana no seu proceder e não poderia ir mais além do humano, de nenhum modo.
Então diremos – e aqui passamos a explicar o porquê da atitude contemplativa a que nos referíamos e da que a filosofia ocidental moderna carece por completo – que a razão está ligada ao movimento e à sensação tal e como (9) a intelecção está ligada à quietude e à contemplação. E não é por casualidade que interligando a intelectualidade pura com o conhecimento metafísico, a filosofia se assente precisamente sobre um “giro anti metafísico” consciente.
Portanto trata-se de duas faculdades bem diferentes que não podem ser, de forma alguma, confundidas e que bem entendidas, são perfeitamente complementárias, não opostas nem incompatíveis – sempre que se reconheça a superioridade ontológica do intelecto sobre a razão, que lhe é naturalmente inferior já que provém de aquele, assim como em virtude da ordem da manifestação à qual pertence.
O intelecto pode ser então, imaginado como um caminho de conhecimento vertical, pois ocupa-se das realidades superiores – ou pelo menos transcende a realidade manifestada, vai mais além dela – e a razão como estendendo-se – no seu movimento reflexo – em horizontal, pois ocupa-se do nível da manifestação, seja esta material ou mental, o que no fundo é indiferente, mais ainda desde o ponto de vista do intelecto. Assim, se a razão se refere ao que é temporário e portanto efémero, passageiro e contingente, o intelecto liga-se sempre com o permanente e eterno. Portanto podemos dizer que o intelectual é sempre algo mais do que o racional.
Guerra de palavras (III): O tradicional e o convencional
Mas se falamos de termos profanados e adulterados no seu significado, nenhum tem sido mais maltratado pela retórica do pós-modernismo, que o conceito de Tradição e os seus derivados.
Poderia, possuir certa lógica que, desde o ponto de vista profano, que caracteriza o modernismo e dado o seu projecto explícito de refundação da sociedade – com independência e até em contra do seu passado – tudo o que remita de algum modo, à Tradição, fique associado com o reaccionário, em geral tudo aquilo considerado anti revolucionário e contrário à fábula do progresso. Em definitiva, trata-se de associar a tradição com a “idade das trevas” , com que se gosta de imaginar todas as realidades humanas anteriores ao modernismo; o discurso é conhecido por todos: o modernismo trouxe a luz e a razão a um mundo, em que reinavam a superstição e a barbárie.
De certa forma este ataque do modernismo ao tradicional é compreensível, pois o ponto de vista tradicional é em essência anti moderno, da mesma forma que o ponto de vista moderno é anti tradicional. Sendo essencialmente opostos e incompatíveis entre si, podemos entender que o modernismo tente, de todas as formas possíveis, desprestigiar o seu oponente. Até aqui tudo resulta de algum modo previsível dentro da estratégia revolucionária de imposição e de aniquilação do adversário que empurra o modernismo.
Menos compreensível e mais desolador resulta ver como se utiliza, inapropriadamente, o termo “tradicional”, por aqueles que pretendem questionar ou criticar o modernismo e buscar alternativas ao mesmo e que na sua confusão, aplicam o termo a conhecimentos, ideias e procedimentos indubitavelmente modernos.
Aqui, “tradicional” já não se opõe a “moderno” como se poderia entender, mas numa nova adulteração do termo, passa a ser aplicado sem mais, a todos aqueles costumes que estão “maioritariamente expandidos”, quer dizer, toma o sentido de habitual, comum ou simplesmente convencional. Deste modo chegam a produzir-se confusões linguísticas realmente diabólicas e escurecedoras, algumas das quais pode ser aconselhável aclarar. Analisaremos um caso que consideramos especialmente significativo deste uso impróprio da palavra “tradicional”, aquele que provém, sem dúvida por desconhecimento, do mundo da ecologia, mas poderíamos dar muitos mais exemplos.
“Agricultura tradicional” e “agricultura convencional”.
O exemplo chega-nos de parte das novas correntes de pensamento ecologista (10) que, questionando os procedimentos habituais do modernismo, por exemplo no que se refere à produção e consumo de alimentos ou à grande revolução agrícola industrial do século XX, tratam de buscar alternativas mais saudáveis, morais e justas aos mesmos. Sem necessidade de os condenar – consideramos os movimentos ecologistas e “alternativos” como parte integrante do pós-modernismo ocidental, já que supõem uma revisão crítica do próprio modernismo, por isso cremos ainda mais necessário aclarar os termos deste debate, pois com demasiada frequência a revisão crítica do modernismo não se assenta sobre princípios e fundamentos sólidos.
No discurso que emana destes movimentos, podemos encontrar que no momento de apresentar novas teorias agrícolas alternativas – as diferentes “agriculturas ecológicas – que tentam superar a indubitável abominação da agricultura intensiva e industrial, chama-se “agricultura tradicional” precisamente ao que é a expressão mais consumada do modernismo aplicado à produção de alimentos: um modelo de agricultura baseado numa lógica tão anti tradicional como o é a baseada exclusivamente no produtivismo e a rentabilidade económica a curto prazo, como resulta evidente para qualquer pessoa que reflicta sobre isso.
Encontramo-nos, então, com o paradoxo de que a agricultura maciça, industrial, bastante destrutiva, contaminadora e de uma tecnologia superior dos últimos 60 anos é qualificada como “tradicional”. Semelhante uso da palavra “tradicional”, é absurdo e demonstra a ignorância por parte de quem a usa, do que tem sido, historicamente e do que significa uma perspectiva “tradicional” como tal, seja aplicada à agricultura ou a qualquer outro âmbito – como teremos a oportunidade de explicar brevemente, a continuação – pois a agricultura moderna industrial não tem nada de tradicional, nem no seu procedimento nem na sua lógica, pois não se baseia, tanto na transmissão de conhecimentos locais e particulares, inseparáveis do contexto em que se produziram, transmitidos oralmente de geração em geração, como na imposição de uns modos de produção e de trabalho segundo umas “regras de mercado” pretensamente universais, que são – pelo menos em teoria – iguais para todos e em todos os lados sem distinção; e nem sequer num sentido histórico pois: como podem chamar tradicional a algo que não tem mais de 60 anos de história?
Comecemos por explicar o que deve ser entendido por “agricultura tradicional”.
Em primeiro lugar, significa conhecimento desenvolvido e transmitido durante inúmeras gerações, pelo qual conta com uma experiência acumulada imensa e há que dizer que a sua sobrevivência no tempo, cumpre um papel fundamental. Esse conhecimento é, a partir de uns princípios gerais básicos, elaborado localmente, de forma que está muito unido ao contexto climático, natural, cultural…etc. em que se desenvolve e é inseparável do mesmo, é, por dizer de alguma forma, um conhecimento que não se exporta. Por este motivo, aparece como muito aferrado à terra. Portanto não se pode falar com propriedade de uma “agricultura tradicional”, senão de agriculturas tradicionais, todas elas, isso sim, inspiradas nos mesmos princípios básicos.
A agricultura moderna, pelo contrário, é basicamente globalizada, faz tábula rasa de todos os lugares, contextos e circunstâncias, à força de se impor a todo o custo a tecnologia sobre o ecossistema. A imposição tecnológica sobre a natureza é um dos caracteres mais definitórios do modernismo e reconhecemos neste facto dois princípios que já temos tratado nestas páginas.
A ânsia universalista – o carácter colonizador e global.
A ânsia homogeneizadora, o igualitarismo.
   
O princípio básico geral em que se fundamenta a agricultura tradicional é primeiro que tudo a sua sustentabilidade no tempo e alcançar a maior autonomia que se possa do ciclo produtivo, tudo isso, combinado, com um gasto mínimo de energia – o que garante a rentabilidade do mesmo.
Para conseguir estes objectivos – sustentabilidade, autonomia e poupança – o mundo tradicional dá forma a um ciclo de produção o mais fechado e próximo ao lugar possível, o menos dependente que se possa de aportes de energia alheios ao sistema. O ideal, tanto de autonomia como de rentabilidade, seria um sistema que energeticamente fosse “de soma zero” em que se aproveitasse a energia toda. Deste modo, enquanto a lógica moderna consiste em aumentar a rentabilidade pelo aumento da produção, a lógica tradicional opta por reduzir o gasto energético ao mínimo imprescindível, um gasto energético maior seria considerado um malgasto imperdoável.
Esta diferença nas respectivas estratégias no momento de enfrentar a produção é devida sobretudo ao objectivo diferente que afasta uma da outra, objectivo que indica a distância enorme entre ambos paradigmas: entretanto na lógica moderna produz-se para vender, na lógica tradicional produz-se para viver. Enquanto a importância de uma está na produção e o mercado do que possui valor, sempre desde a perspectiva do modernismo; a importância da outra está na vida, de modo que produzir não tem valor “per se”, não é um fim em si próprio, mas sim um meio. Assim, para o pensamento mercantilista o facto de que o produzido seja alimento é algo secundário, pois o principal é que se trate de uma mercadoria com valor de mercado.
Por outro lado, se reparamos no procedimento da indústria agro-pecuária moderna observamos que o ciclo produtivo que constitui a essência da agricultura tradicional já não é tal, pois está roto em diversos pontos de modo que é necessário um aporte constante de energia exterior para repor a energia que sai do ciclo produtivo e não regressa a ele, e assim aquele sistema não se recupera. Efectivamente, a agricultura moderna requer de constantes produtos externos de energia, aplicados por meio de procedimentos que são, por sua vez, mais técnicos e caros.
O ciclo converte-se assim numa linha de produção industrial difusa em que se desperdiça e malgasta mais energia e informação quanto mais distantes estejam entre si os elementos da cadeia. Uma vez mais a lógica moderna ao enfrentar este problema, não é reduzir a cadeia de produção, senão injectar-lhe mais energia, provocando com isso que a produção fique cada vez mais cara. Finalmente, ao estar mercantilizada a produção industrial, faz-se necessária a intervenção do dinheiro em cada um dos passos de dita cadeia – já que o produto de cada um deles se converteu em mercadoria.
Mas além de tudo o indicado a agricultura moderna teve outra consequência altamente perniciosa: devido à sua extrema tecnologia produziu uma grande dependência por parte do produtor-agricultor, de poderes e entidades externas, alheios aos seus interesses e impossíveis de controlar por ele, mas dos que no entanto depende – por exemplo la industria química pesada que desenvolve a maquinaria agrícola. É como dizer que lhe rouba toda a autonomia ao produtor, que passa a ser um elemento mais da cadeia industrial, com a única particularidade de trabalhar fora da fábrica.
As consequências, sobretudo sociais, deste fenómeno, são decisivas dado que a massa social de agricultores tradicionais de todos os tempos e culturas, destacava por ser uma associação muito independente das diferentes súper estruturas sociais e com um grande grau de autonomia e autarquia no seu proceder, por exemplo, no desenvolvimento de estratégias e na toma de decisões. O que significa que usando a retorica moderna, os agricultores constituem uma associação muito “livre”, contrariamente ao que nos faz acreditar o discurso progressista em vigor.
Devido a este elevado grau de autarquia e independência dos agricultores e o mundo rural em geral, estas associações sempre foram vistas como um estrato social particularmente renuente a qualquer intromissão estatal assim como impermeável a toda inovação sócio-política e efectivamente o universo rural sempre foi descrito por parte do liberalismo como reaccionário e contrário à mudança. É conhecida, por exemplo, a resistência do mundo rural na idade média às tentativas de centralização. O mesmo se pode dizer da sua oposição consciente à corrente transformadora e liberal que se estendeu por Europa entre os séculos XVIII e XIX.
E certamente não lhes faltava razão ao desconfiar do liberalismo burguês e urbano, pois o processo modernizador não pretendia outra coisa que arrebatar-lhes o controlo do seu sistema de produção. Recordemos que eram donos exclusivos do seu saber e da aplicação do mesmo campo, copado pelos técnicos e engenheiros, como a história o tem demonstrado. Na verdade o modernismo teve o seu ponto de partida nas cidades e na burguesia e este bem pode ser um dos motivos principais da rivalidade secular entre campo e cidade, assim como do ódio ao rural por parte do modernismo ocidental (11). E pode-se dizer que ter polarizado e industrializado deste modo o sector agro-pecuário, que mudou por completo o modo em que percebemos o alimento, tem sido um facto verdadeiramente revolucionário, no sentido exacto do termo.
Voltando à “agricultura tradicional” há que dizer que esta se integra no ecossistema dando lugar a um diálogo criativo entre Homem e natureza em que ambos se vêem transformados, superando-se a clássica oposição entre natureza e cultura. A cultura tradicional desenvolve-se precisamente num diálogo permanente com o meio, adaptando-se a ele. Por sua parte, perante esta dialéctica Homem-natureza o objectivo inconfessável da visão moderna é “libertar-se” da natureza e impor-se à mesma, tarefa que facilitou enormemente o desenvolvimento técnico.
Foi a partir deste diálogo, entre natureza e cultura que a tradição deu lugar a toda a riqueza e diversidade cultural prévia ao modernismo e à sua corrente homogeneizadora, saberes humanos particulares e únicos associados geralmente a uma região geográfica e cultural concreta. Mas, além disso a cultura tradicional era uma fonte incalculável de biodiversidade, manifestada em aspectos tais como, a riqueza de variedades agrícolas e criação de gado que existiam antes que chegasse a nova agricultura moderna ou na diversidade de paisagens a que deu lugar e de micro sistemas que se regulavam mutuamente, como agora a ciência da ecologia começa a reconhecer.
Por outro lado a agricultura moderna é anti tradicional por definição e cabe qualificá-la ademais de “revolucionária”, pois tem sido dirigida a destruir a ordem social, algo especialmente óbvio no ênfase que põe na ruptura com toda a herança cultural anterior – à que se desqualifica sem excepção, impondo assim o seu novo e particular (des)ordem em função dos seus critérios e objectivos.
Portanto é totalmente impróprio o qualificativo de “tradicional” aplicado à agricultura moderna e cremos que é mais apropriado denomina-la simplesmente moderna ou convencional. É convencional por várias razões. Primeiro, porque de facto obedece a uma convenção social, a lógica do mercado e a mercadoria, que de não ser partilhada maioritariamente fá-la-ia completamente inviável. Em segundo lugar, porque dita convenção está baseada numa superstição, ou melhor em duas: a superstição do progresso e a superstição da técnica, as quais convidam a acreditar que os novos “métodos modernos” são mais eficazes e produtivos, o qual é rotundamente falso. Se lemos a definição de convencional que a RAE proporciona vemos que tem o sentido de “pouco original e acomodatício”, o que realmente a agricultura moderna, é.
Se colocámos a ênfase neste uso impróprio da palavra tradicional, é porque consideramos que este tipo de imprecisões da linguagem não fazem senão espalhar a confusão dos termos, impossibilitando muitas vezes que as críticas ao modernismo sejam realmente profundas e vão à raiz do problema. Como dissemos no começo deste artigo a distorção das palavras que está a ter lugar impede que certos discursos possam ser elaborados e comunicados, o que reduz a “realidade mental” exclusivamente ao discurso dominante.
E se bem advertimos que existem abundantes críticas ao modernismo, tais críticas parecem-nos demasiado parciais e pontuais, carentes de vínculo profundo entre si, assim como da perspectiva global necessária para encontrar novos caminhos. Se já parece imprescindível transcender o modernismo como proposta social, é necessário alargar a perspectiva e ver um pouco mais além. Não se trata simplesmente de questionar o modernismo, trata-se também de poupar esforços, pois nem tudo há-de ser reinventado desde zero, apesar da confusão ideológica aplicada pelo que denominamos a “cultura do palimpsesto” que tratou de apagar todo o nosso passado cultural, nos conhecimentos dos nossos antepassados ainda há muitas coisas valiosas e dignas de recuperar que devem ser tidas em conta. De outro modo, qualquer crítica dirigida ao modernismo não é mais do que outra demonstração de auto- suficiência e soberba prometeica.
Notas
(1) No sentido exacto do termo, que se refere à ordem das ideias.
(2) Desde o ponto de vista moderno, radicalmente relativista, poderiam objectar-nos que qualquer linguagem é uma convenção, e é certo em parte, mas que a linguagem suponha na prática um certo grau de convenção não significa que este seja arbitrário. Ademais tal critério relativista supõe um desprezo absoluto pela verdade, noção de verdade que se expressa, como já Heidegger advertiu, na busca da origem de uma palavra através da sua etimologia.
(3) Recordemos que segundo algumas tradições, Adão, o primeiro homem, falava em verso.
(4) Encontramos um bom exemplo desta associação pensamento-movimento no Hatha Yoga hindu. No mesmo, a detenção, disciplina e domínio do corpo tentam-se fazer extensivos à mente, quer dizer, o princípio básico supõe que ao se deter e disciplinar o corpo – conscientemente – também se força a mente a parar e disciplinar, devido à interligação profunda existente entre ambos
(5) Seguimos a René Guénon na nossa exposição, a grandes rasgos.
(6) Como quando se refere ao versado que está um sujeito em matérias exclusivamente profanas, quer dizer, que possui um saber mundano e irrelevante, absolutamente alheio à noção de intelecto e às realidades superiores às quais serve de intermediário.
(7) Precisamente o termo gnosis sofreu uma degradação semelhante e agora dizem-se gnósticas às exposições pseudo- tradicionais mais variadas, ligadas frequentemente com o ocultismo e a new-age; estamos aqui perante um caso de esquecimento do verdadeiro significado – que está na sua origem – e da consequente perversão do termo.
(8) De facto é realmente casual que se impusesse o conceito de desenvolvimento na música clássica, precisamente com a vitória definitiva do modernismo, no final do século das Luzes.
(9) De forma idêntica.
(10) O ecologismo é outro termo fetiche do pós-modernismo e converteu-se em “totum revolutum” que apenas se sabe o que significa. O mesmo serve para defender propostas anticapitalistas e como selo de qualidade de empresas multinacionais…um novo exemplo de como o pós-modernismo é um “Behemot” cujas fauces deglutam tudo.
(11) O mundo rural, onde o vínculo comunitário é identitário – baseado na terra – era particularmente forte, tem sido, junto à tradição e à família outro dos clássicos cavalos de batalha do modernismo, que tem tratado de desprestigiar de todos os modos e conseguiu-o finalmente, graças a reeducar as pessoas do campo no “complexo de atraso” e doutriná-las na vergonha e no ódio pelos seus conhecimentos e tradições.
Agnosis

Tradução: Lúcia

2 comments:

PUTIN FRENCH



2017 FSB Meeting - RO from Roberto Petitpas on Vimeo.

BOTH VIDEOS AVAILABLE IN ENGLISH,FRENCH, ROMANIAN, PORTUGUESE

PRESIDENT





Labels

A BRAMERTON A. Orlov Abayomi Azikiwe ABIZAID ABOGADOS ABOGADOS PROGRESISTAS DE ESPAÑA Acción secreta activism Ajamu Baraka AL-ASSAD AL-HUSAINI Aleksandar PAVIC alex gorka Alex Lantier Alexander Azadgan ALEXANDER DUGIN ALEXANDER KUZNETSOV Alexandra Bruce Alexandre Artamonov ALEXIS Ambrose Evans-Pritchard an Greenhalgh Ana de Sousa Dias ANA SOUSA DIAS ANASTASOV Anatol Lieven Andre Vltchek ANDREI AKULOV Andrew Griffin Andrew Korybko Andrew P. Napolitano Andrey Afanasyev animals Ann Diener Ann Wright Anne Speckhard Ph. D. Anne Speckhard PH. D aRABIC ARAM MIRZAEI Ariel Noyola Rodríguez Asaf Durakovic Asma Assad ASMOLOV ASSANGE Avelino Rodrigues AVNERY BAKER bankers BAOFU Bashar al-Assad Baxter Dmitry BECKER Before it's News BEGLEY BERGER BILL SARDI Binoy Kampmark BOGDANOV Brazilian BRENNAN BRIAN CLOUGHLEY BULGARIAN BUTLER CABRAS Carey Wedler CAROL ADL CARTALUCCI CATHY O'BRIEN cats Chelsea Manning Choice and Truth Chossudovsky Chris Cole CHRIS HEDGES Christopher Black CIA Claire Bernish clinton Collective Evolution Comunidad Saker Latinoamérica COOK Covert Action Craig McKee CUNNINGHAM Daniel Lazare Daniel McCARTHY Daniele Ganser DANSK Darius Shahtahmasebi DARK JOURNALIST DARK JOURNALISTt DAVID HOROVITZ David Lemire David STERN David Swanson DEAN Deena Stryker Deutsch DINNUCI DIPLOMACY Dmisa Malaroat DMITRIY SEDOV Dmitry Minin Domenico Losurdo Donald Trump doni DONINEWS Dr. Kevin Barrett DUFF DUGIN EDITOR'S CHOICE EDWARD SNOWDEN Eliason Eliseo Bertolasi EMMONS endgahl ENGDAHL Eric S. Margolis Eric Zuesse ESCOBAR EUROPE Evan at Fight for the Future F. William Engdahl FANG Farage farewell address FEDERICO PIERACCINI FERRIS Field McConnell finance Finian Cunningham FORBIDDEN KNOWLEDGE TV forbidden nowledge Foster Gamble four horsemen Fr. Andrew Phillips FRANCESCA CHAMBERS Francesco Colafemmina Freeman FRENCH FRISK FULFORD Fuller G20 SUMMIT GALLAGHER Gareth Porter GARY NORTH General Flynn George Gallanis GERMAN GERMANOS Gilad Atzmon Gilbert Doctorow Glenn Greenwald GLOBAL RESEARCH GORDON GORDON DUFF Graham E. Fuller GREENHALGH GREENWALD Greg Hunter Gregory Copley GRETE MAUTNER GUEST CONTRIBUTORS GUNNAR GUTERRES HAGOPIAN Hakan Karakurt Herbert McMaster HERMAN hill HILLARY CLINTON http://www.independent.co.uk/ http://www.northcrane.com/ http://www.salem-news.com/ http://yournewswire.com/ HUDON HUDSON ideeCondividi INAUGURATION Inform Clear House Internet IODINE ITULAIN Ivan Blot JALIFE-RAHME JAMES James Comey JAMES CORBETT JAMES GEORGE JATRAS James ONeil JAMES PETRAS Jane Grey Jay Greenberg Jean Perier Jean Périer Jean-Claude Paye JEFFREY SMITH JEZEBEL JILL STEIN Jim W. Dean Joachim Hagopian john McCain JOHN PILGER John Podesta John W. Whitehead JONAS E. ALEXIS Jonathan Marshall JONES Joseph Thomas JULIAN ASSANGE KADI Kadir A. Mohmand Kadyrov kalee brown Karen Kwiatkowski Karine Bechet-Golovko KATEHON KATHEON Katherine Frisk Ken O’Keefe Kenneth P. VOGEL KERRY BOLTON Kerry Cassidy Kerry Picket Kevin Barret. VT Kim Petersen KIMBERLEY KINZER KIRYANOV KOENIG Konstantin Asmolov KORYBKO KORZUN Krum Velkov Larry Chin Laurent Gerra lavr LAVROV Le Saker Francophone LENDMAN Lionel Shriver LOFGREN LVOV MACMILLAN Makia Freeman Manlio Dinucci Manlio Dinucci - Manuel Ochsenreiter Marco Cassiano MARCUS WEISGERBER MARGARET KIMBERLEY MARIA ZAKHAROVA Mark Citadel Mark Taliano Markus Frohnmaier Martin Berger MARUSEK Matt Peppe MATTEO rRENZI MATTHEW COLE MATTHEW JAMISON MCLAUGHLIN MÉLENCHON MELKULANGARA BHADRAKUMAR MERCOURIS MEYSSAN MICHAEL AVERKO Michael Brenner Michael Hudson MICHAEL JABARA CARLEY Michael S. Rozeff Michael T. Klare Middle East MIG video Mike Whitney MINA Mint Press News MintPressNews MIRANDA Misión Verdad MKULTRA Mohamed Mokhtar Qandiel MOHMAND Montenegro MOON OF ALABAMA moonofalabama MOST DAMAGING WIKILEAKS NATO NEO NEWS DESK Nicholas Nicholaides Nick Turse NIKANDROV Nile Bowie NISSANI NOVOROSSIA novorussia obama obamas Olivier Renault ONU ORLOV OSCAR FORTIN PALESTINE PARRY Patrick J. Buchanan Patrick Martin PAUL CRAIG ROBERTS Paul Fitzgerald Paul R. PILLAR Paul Street PAYE PCR Pedro Bustamante PEPE ESCOBAR Peter Dale Scot Peter Dale Scott Peter Koenig PETER KORZUN PETRAS Ph.D Phil Butler PICCARD Pierre Farge PILGER PISKORSKI PODESTA Pope Francis PORTUGUESE PRAVDA prc PRESTON JAMES Prof Michel Chossudovsky Prof Rodrigue Tremblay Project Veritas PUTIN PYOTR ISKENDEROV Queen Elizabeth Rajan Menon Raphaël Meyssan rebecca gordon Redmayne-Titley RELAX réseau Réseau International Réseau Voltaire Réseau Voltaire: Revue Défense Nationale Ricardo Vaz RICHARD DOLAN Richard Galustian Richard Labévière Richard Spencer Rick Sterling Rob Urie Robert Bridge Robert J. Burrowes Robert J. O’Dowd Robert O’Dowd ROBERT PARRY robert steele ROBERTS rof. Mohssen Massarrat ROLAND Roland San Juan blog ROMANIA PROTESTS ROMANIAN Ron Aledo RON PAUL RT Rudolph Giuliani RUDY GIULIANI RUSSIA TODAY RUSSIAN Russian Insider Russie politics Russka RUSSOPHILE Ryan Dawson Ryan Gallagher Salman Rafi Sheikh sana sanders SANTOS SILVA SCAHILL SCOTT Scott Humor Sean Adl-Tabatabai SERGEY LAVROV Seth Ferris SHAKDAM Shawn Hamilton SHEIKH SIMON PARKES Smith & Wesson SNOWDEN SNYDER Sophie & Co Soros SOUTH FRONT SOUTHFRONT SPANISH speech GERMAN MP Speer-Williams Sputinik sPUTNICK SPUTNIK STACHNIO State of the Nation Stephen Kinzer Stephen Lendman Steve Pieczenik STEVE PIECZENIK: STONE STORM CLOUDS GATHERING StormCloudsGathering.com Strategic Culture STRATTON STRYKER Sunagawa Syria TAKEHON TALIANO TASS TEREHOV The Anti-Media THE INTERCEPT THE SAKER the true activist THERAPEOFJUSTICE Thierry Meyssan Third Presidential Debate Tillerson tom dispatch TOM ELEY Tom Engelhardt Tom Feeley TOM JOAD TomDispatch TOMGRAM Tony Cartalucci True Activist TrueActivist.com trump TSUKANOVA TTIP TURKEY TYLER DURDEN Udo Ulfkotte Ukrainian Deserter USA ELECTION USA ELECTIONS Valentin Vasilescu Van AUKEN Vanessa Beeley VASILESCU Vault 7 Veteran Intelligence Professionals for Sanity VETERANS TODAY VETERNAS TODAY video videos VIETNAM VETERANS Viktor Mikhin VITALY CHURKIN Vladimir Chizhov Vladimir Safronkov VLTCHEK VT Waking Times WANTA Washingtons blog WAYNE MADSEN WESTBERG Westmoreland WHITEHEAD Whitney Webb WIKILEAKS Wikispooks William Blum WOODS world cup 2018 Xi Jinping YEMEN Youssef A. Khaddour ZAKHAROVA ZÉ GERALDO ZEROHEDGE ZUESSE